Chineses com interesse em investir na indústria automóvel

A Câmara de Comércio Internacional da província chinesa de Guangdon está interessada em investir na indústria automóvel e mecânica na província do Huambo, informou recentemente, no Planalto Central, o seu vice-presidente, William Wang

Em declarações à imprensa no fi nal de um encontro com congénere da província do Huambo, disse que a intenção dos membros da câmara de Guangdon, a maior do país asiático com 67 mil empresas associadas, é contribuir no processo de desenvolvimento de Angola e ajudar o empresariado local nas várias vertentes.

William Wang reconheceu que a província do Huambo dispõe de condições favoráveis para a implementação de qualquer indústria e, também, para desenvolver a agricultura, pecuária, turismo, minério, educação, formação de quadros e de empresas, que constituem, também, as áreas de interesse prioritário dos seus compatriotas.

Acrescentou que a câmara de comércio vai continuar a pesquisar outras áreas de investimento chinês, além de promover o fortalecimento da cooperação, quer com o Governo da província do Huambo, quer com o empresariado local, no sentido de instalar ainda indústrias de produção de botijas de gás, elevadores e de equipamentos médicos.

Sem avançar prazos e o montante a investir, justificou que as infra-estruturas e as potencialidades que a província apresenta em vários aspectos facilitam, de certo modo, o estreitamento das relações de amizade e de cooperação económica, dependendo agora da atitude e da dinâmica do Governo local.

Por sua vez, o presidente da Câmara de Comércio e Indústria da província do Huambo, Castilho Noé, disse tratar-se de uma parceria mutuamente vantajosa, que vai permitir, da parte angolana, a criação de mais postos de emprego e melhorar a qualidade de vida das famílias.

Esta cooperação, segundo o responsável da organização com duas mil empresas associadas, enquadra-se nas estratégias da recuperação do título de segundo parque industrial do país, depois de Luanda, na época colonial, com a produção de calçados, cerveja e refrigerantes, além da transformação de imputes agrícolas, sendo, também, um dos motivos da presença dos empresários chineses na região.

Situada na região Centro-sul de Angola, a província do Huambo conta com mais 200 de unidades fabris em funcionamento desde exploração de inertes, fabrico de bebidas, plásticos, colchões e carteiras. Possui ainda um Pólo de Desenvolvimento Industrial da Caála, localizado no município da Caála, numa área adjacente dos Caminhos-de-Ferro de Benguela.

Esta localização é uma maisvalia, porquanto, muitos investidores, especialmente estrangeiros, podem transportar as matérias-primas e demais bens do Porto do Lobito, na província de Benguela, para o Huambo, em pouco tempo, sem constrangimento.

error: Content is protected !!