Solução tecnologica da Sistec para o IVA custou mais de Kz 23 milhões

O PCA da Sistec, António Candeias, admite que à entrada em vigor do do imposto Sobre o valor Acrescentando (ivA), com 90% da sua implementação e com custo de mais de 23 milhões de Kwanzas, a “sua” soclução tecnologica para o ivA está a ter acolhimento positivo por parte das empresas

O Imposto Sobre o Valor Acrescentado começa a ser implementado no início do próximo mês de Julho. Qual o entendimento da Administração da SISTEC sobre este imposto?

Há que ter presente que o IVA é uma lei que já está em vigor, como tal, não nos cabe ter qualquer entendimento sobre ela. Cabe-nos cumprir e contribuir para que este processo possa correr da melhor forma, quer para o contribuinte, quer para a AGT.

A implementação do IVA é contestada por uns e aplaudida por outros, acha que a implementação acontece numa boa época?

Obviamente, acreditamos que numa fase inicial irão acontecer muitos constrangimentos, resultantes do facto de a maioria das empresas ainda não estarem contabilisticamente organizadas para a introdução do IVA. A fazer fé nos números de que oiço falar, que referem a existência de cerca de 4.000 contabilistas inscritos na OCPCA, é importante referir que nem todos fazem contabilidade, alguns são funcionários públicos, outros estão na direcção das empresas. Esse número não significa que exista disponibilidade para o mesmo número de empresas, até porque a sua generalidade está em Luanda e o país tem 18 províncias. A título de exemplo, temos a SISTEC, que conta com oito contabilistas inscritos na OCPCA. O nosso contributo para facilitar a vida dos empresários foi disponibilizar ao mercado soluções tecnológicas de gestão capazes de resolver as iminentes alterações fiscais.

A SISTEC tem uma solução tecnológica para o IVA, em que consiste essa solução?

Para este caso particular do IVA, foram realizadas várias alterações para que os nossos clientes pudessem contar com uma versão do software 100% adaptada à nova realidade do país. Não obstante, e como empresa atenta às diferentes dimensões das organizações que actuam em Angola (e como tal com diferentes níveis de exigência de reporte nacional e internacional), a SISTEC tem vindo, ao longo de mais de 10 anos, a cimentar a parceria com uma empresa portuguesa – a Eticadata, no sentido de disponibilizar às empresas nacionais uma solução exaustivamente testada no mercado português e adaptada ao mercado angolano. O Eticadata é um ERP (Enterprise Resource Plannig), ou seja, trata-se de um software essencial na gestão de qualquer empresa, independentemente da sua dimensão ou segmento. O programa comporta vários módulos de apoio à gestão nas mais diversas áreas de negócio, que incluem a gestão comercial e financeira, contabilidade e recursos humanos. O Eticadata pode adaptar-se a qualquer indústria, desde o turismo, cobrindo todo o canal horeca (hotelaria, restauração e cafés), a empresas de logística, ao sector de distribuição ou a redes de retalho. Ou seja, pode incluir todas as empresas angolanas que a partir de 1 de Julho estarão sujeitas ao novo regime fiscal.

Qual é a nacionalidade dos técnicos que trabalharam na solução tecnológica?

O desenvolvimento deste ERP foi requerido na sede da Eticadata. Todavia, toda a parametrização que contempla as especificidades do mercado angolano foi feita localmente pelos técnicos da SISTEC, que, à excepção de um, são todos angolanos, incluindo o coordenador. Três deles estão na empresa praticamente desde a sua fundação. Os projectos desta natureza devem integrar diversos intervenientes em toda a sua cadeia de valor.

Quando custou a sua elaboração?

Tal como referido anteriormente, o desenvolvimento de software faz parte do nosso ADN. É difícil quantificar um valor específico sem considerar todo o investimento feito pela SISTEC ao longo de quase 3 décadas a operar no mercado angolano. O custo que quantificamos foi a aposta nos recursos humanos de excelência com capacidade técnica de criar soluções adaptadas ao mercado nacional, sem ser necessário importar programas, pagar licenças que em muitos casos têm uma aplicabilidade limitada por não terem sido desenhadas de raiz para a nossa realidade. O valor orçamentado para este projecto específico (alteração do nosso software e parceria com a Eticadata) foi de AKz 238.000.000,00. Neste momento podemos dizer que a sua execução está em cerca de 90% e sem desvios orçamentais.

Como é que está a ser acolhida a solução tecnológica apresentada pela SISTEC?

De um modo geral, tem sido muito positiva, as empresas têm necessidade de actualizar os seus programas informáticos de gestão para se adaptarem à introdução do IVA. Sentimos que a grande preocupação dos clientes tem sido confirmar junto da SISTEC se existe, de facto, uma solução tecnológica compatível com as suas necessidades, que lhes permita cumprir o novo quadro de exigência fiscal.

Qual é o grau de participação da empresa neste processo?

É total! Repare, a partir de 20 de Maio estaremos a oferecer um curso em horário laboral e póslaboral 100% grátis, de 60 horas “Formação e Certificação ERP – ETICADA SOFTWARE”, na nossa sede do Maculusso, aos já utilizadores da aplicação. O interesse da SISTEC é formar parceiros, revendedores e futuros interessados para trabalharem na comercialização em Eticadata. Disponibilizar este novo produto ao mercado irá auxiliar todos os grandes contribuintes angolanos a fazer a transição, o mais rápido possível, para o novo ambiente fiscal do IVA. Este é o nosso grau de compromisso com o país.

error: Content is protected !!