UNITA considera “prudente” decisão de Juiz Conselheiro do TC

UNITA considera “prudente” decisão de Juiz Conselheiro do TC

Em declarações à imprensa, o político disse que sejam quais foram as razões evocadas por Raul Araújo “fez muito bem de desistir da corrida, pois não reunia condições, nem morais, tampouco legais para concorrer, por não ser magistrado”. Realçou que a Lei é clara, tem que ser um magistrado judicial a concorrer, pelo que a candidatura feria o legislado.

O juiz conselheiro do Tribunal Constitucional, Raul Araújo, anunciou na Quinta-feira, em Luanda, a sua desistência do concurso público curricular para a escolha de um juiz conselheiro da Comissão Nacional Eleitoral (CNE). Numa declaração pública, o magistrado justificou a decisão com o fundamento de “não me rever em jogadas opacas e desonestas que, em última instância, vão pôr em causa o funcionamento da CNE e os processos eleitorais que este órgão tem o dever de organizar”.