Fórum Mundial do Turismo arranca hoje em Luanda

Angola acolhe a partir de hoje o Fórum Mundial de Turismo, um evento que vai reunir mais de 1500 delegados de vários países, e que visa atrair investimento para o país nos diferentes sectores da actividade económica

Além de reunir em Luanda os líderes da indústria do Turismo ao nível do mundo, o WTF vai abordar temas como “Turismo em África; Turismo digital ou informatizado; O papel do governo nas viagens de negócio; Porquê investir em Angola e O segredo ou a história do sucesso dos destinos turísticos”, entre outros assuntos. O evento, que vai reunir 1500 delegados, pode trazer oportunidades de investimentos nos sectores da Construção, Transportes, Energia e Águas, e Agricultura, e proporcionar a criação de empregos, pelo facto de o Turismo ser uma indústria de investimento de paz e de lazer, bem como de oportunidades.

Situação actual das infra-estruturas turísticas do país

De acordo com o documento apresentado pelo Ministério do Turismo aquando do Iº Conselho Consultivo Alargado realizado no ano passado, na cidade do Sumbe, província do Cuanza-Sul, o país conta actualmente com mais de 7.086 empreendimentos, dos quais, 228 são hotéis, 21 Apart – hotéis, seis Estalagens e Motéis, 102 conjuntos edificados para o turismo e mais de 4647 restaurantes e similares e 418 agências de viagens e turismo. Desses dados, a província de Luanda lidera o ranking com um total de 109 hotéis e 6761 quartos e 8476 camas, a seguir vem a província de Benguela com um total de 22 hotéis, 1300 quartos e 1660 camas, enquanto a província do Cuanza-Sul conta com um total de 21 hotéis , 786 camas e um total de 100 quartos.

Ainda no mesmo documento referente à situação actual das infra- estruturas hoteleiras, a Huíla conta com 11 hotéis, 949 quartos e 1240 camas. A província do Zaire está com 11 hotéis, 389 quartos e 650 camas, enquanto Cabinda conta com 10 hotéis, 1017 quartos e 1247 camas no total. Por outro lado, a província do Huambo com um total de 8 hotéis com 363 quartos e 469 camas, a província de Malanje tem 8 hotéis e 369 quartos e 427 camas, enquanto o Uíge com 5 hotéis, 211 quartos e 255 camas, ao passo que a província do Moxico tem 5 hotéis, 141 quartos e 192 camas.

Segundo o documento, a realização do Campeonato Africano de Futebol realizado em Angola em 2010 (CAN), o sector turístico conheceu um crescimento relevante, tanto na quantidade como na qualidade, tendo dobrado consideravelmente a sua capacidade instalada em termos de empreendimentos hoteleiros e similares, principalmente, nas províncias de Luanda, Benguela, Huíla e também em Cabinda. O documento a que o Jornal OPAÍS teve acesso refere ainda que 95% deste investimento foi assegurado pelo sector privado, com principal destaque para o grupo AAA, que lançou um mega projecto de construção de 50 unidades hoteleiras em todo o país, perfazendo um total de 6.445 quartos com nove unidades em funcionamento. Número de hotéis por categoria Quanto à categoria, no país existe um total de três hotéis de cinco estrela, 20 hotéis de quatro estrelas, 79 hotéis de três estrelas, 52 hotéis de duas estrelas e 65 hotéis de uma estrela.

Entrada de Turistas

Em 1988 chegaram às fronteiras do país um total de 60.898 turistas enquanto em 2001 a entrada de turistas foi de 67.379, ao passo que em 2016 Angola registou a chegada de 592.495 turistas e em 2017, 260.961 turistas.

Turismo arrecada mais de USD 800 milhões

Actualmente, as receitas dos serviços hoteleiros e similares representaram para o PIB nacional cerca de 3,5 %, em 2017 a receita do sector situou-se em USD 880 milhões.

Mais de 2000 postos de trabalho

O emprego no sector do Turismo apresentou resultados positivos, actualmente, perfazendo um total de 223 mil e 965 postos de trabalho.

Unidades hoteleiras e a aposta nos novos serviços

As unidades hoteleiras de Luanda estão actualmente a apostar na implementação de novos serviços como a realização de festas, aluguer de espaços para casamentos entre outros eventos para angariar fundos. Face às actuais dificuldades que o país vive, e alguns constrangimentos que vêm afectando o sector, alguns hotéis, como o Horizonte Novo, começaram apostar em novos serviços entre eles aluguer de espaços para realização de casamentos, shows, entre outros eventos para conseguirem manter-se no mercado, tal como informou recentemente à Revista Exame, o director do Hotel Novo Horizonte, Luís Lobo.

Segundo o responsável, atendendo as dificuldades de vária ordem, houve uma diminuição de 55% em relação ao ano passado, mas avançou que durante o mês de Junho, apesar de não ser da mesma percentagem o índice de entrada de hóspedes aumentou pelo menos 30%. Referiu que existem algumas unidades hoteleiras ao redor que estão vazias e outras mesmo que por motivos diversos foram obrigadas a encerrar as portas. Em face desta situação, o responsável salientou que neste momento, prefere optar por aumentar alguns serviços de modo a angariar outros fundos. Por outro lado, esclareceu que neste momento os quartos dos hotéis são frequentemente ocupados pelos angolanos e também alguns cidadãos de origem africana.

“ A entrada de hóspedes de países Europeu, como do Brasil, diminuiu significativamente nos últimos tempos, portanto, os hospedes que temos são os próprios angolanos e alguns cidadãos provenientes de países como o Congo, Namíbia e África do Sul”, disse Há sete anos no mercado, o Hotel Horizonte Novo de três estrelas, localizado no município de Viana, em Luanda, tem 56 quartos e 112 camas, e emprega cerca de 56 jovens angolanos. Apesar de todos os constrangimentos que ainda se registam no sector, o empresário na direcção do hotel há 4 anos, reconhece que o negócio da hotelaria é acima de tudo rentável. “O negócio da hotelaria é muito rentável “pode não ser agora, mas é rentável” Sem avançar o valor do investimento, o responsável disse que o valor do investimento para a construção da infra-estrutura já teve retorno. Um dos grandes problemas que o hotel enfrenta tem sido a falta de água, o saneamento básico, “Não há água canalizada em Viana”, frisou Por isso, desde alguns meses a unidade optou por comprar uma cisterna de água, gastando diariamente 5 a 6 cisternas.

Turismo é sector estratégico para o BNI

Na qualidade de parceiro estratégico do Ministério do Turismo, o Banco BNI tem dedicado especial atenção a este sector, visto que o desenvolvimento e o apoio a projectos estruturantes fazem parte dos seus pilares estratégicos. Na Feira de Artesanato, o banco marcou presença com um stand que facilitou as transações monetárias no local, tendo possibilitado a compra dos produtos disponíveis no evento aos turistas que viajavam a bordo do navio cruzeiro que atracou no porto de Luanda nos dias 5 e 6 de Abril. Nos dias 17 e 18 de Maio, o BNI reforçou a sua aposta nas iniciativas ligadas ao sector, apoiando, na qualidade de patrocinador, o Presidential Golf Day um evento desportivo de cariz internacional,cujo foco é o de atrair investidores estrangeiros para a implementação de projectos na área do turismo e em áreas colaterais e que pela primeira vez se realizou em Angola.

Este evento teve como patrono o Presidente da República, João Lourenço. Na sequência do patrocínio ao Presidencial Golf Day,o banco prepara-se agora para participar no Fórum Mundial de Turismo, que se realiza entre os dias 23 e 25 de Maio que terá periodicidade anual. Enquanto banco de referência no mercado financeiro nacional, o BNI assumiu como compromisso a aposta no desenvolvimento de Angola e, no âmbito da parceria estratégica que estabeleceu com o Ministério do Turismo, tem em conta a importância deste sector na proliferação da imagem, dos serviços e das diferentes ofertas nacionais, com vista ao desenvolvimento da produção e das exportações, bem como da circulação de divisas.

error: Content is protected !!