Investigador sobre MH370: avião chamariz foi usado durante ‘desaparecimento forjado’

Novas afirmações expõem que uma aeronave chamariz foi utilizada para enganar o mundo e causar a impressão de que os EUA foram responsáveis pelo sequestro do vôo MH370 da Malaysia Airlines

O investigador voluntário Andre Milne afirma que houve de facto dois aviões, um dos quais sobrevoou as Maldivas e depois amarrou no mar de Andaman, segundo a explicação de testemunhas nos dois locais, enquanto o “verdadeiro MH370” supostamente voou para o norte do Camboja, escreve o Express. No dia do desaparecimento, em 8 de Março de 2014, moradores da ilha de Kudahuvadhoo, nas Maldivas, relataram ter visto e ouvido um “Jumbo Jet voando a baixa altitude” sobre as suas casas, de acordo com o jornal Haveeru Daily. Isso levantou rumores de que o avião poderia estar a voar para Diego Garcia, uma ilha onde se situa a base militar norte-americana, a sul das Maldivas. Anteriormente, a testemunha Raja Dalelah Raja Latife relatou ter visto um avião parcialmente submerso no oceano ao largo das ilhas Andaman, durante um vôo para Kuala Lumpur naquele mesmo dia.

Milne afirma que este facto foi confirmado por satélites militares russos, embora não tenha sido apresentada qualquer prova nesse sentido. “A hipótese de que o MH370 foi levado para Diego Garcia é exatamente o que os sequestradores queriam que o mundo acreditasse […] Eles voaram tão baixo sobre os atóis das Maldivas para serem vistos por tantas testemunhas credíveis a fim de criar uma falsa ilusão de que os EUA foram responsáveis”, destacou. O investigador acrescenta que isso significaria que há dois locais viáveis para investigação — a baía de Bengala, onde o avião chamariz supostamente caiu, e o local no Camboja identificado por outro perito, Daniel Boyer. Ambos os homens acreditam que o verdadeiro MH370 pousou na selva e pediram às autoridades que lançassem uma expedição para encontrá-lo.

“Após a análise comparativa das declarações de testemunhas e dados electrónicos dos primeiros 84 minutos do desaparecimento do MH370, tornou-se evidente que uma aeronave totalmente independente, que não a do MH370, foi usada durante o desaparecimento forjado do MH370”, declarou Milne, complementando que o relatório oficial do MH370 pela Força Aérea Real da Malásia tem dados contraditórios. “É impossível que a aeronave desaparecida seja identificada em dois locais totalmente diferentes no mesmo período de tempo, a única conclusão lógica é que um avião chamariz completamente diferente foi usado durante o desaparecimento forjado do MH370”, finaliza. A aeronave do vôo MH370 desapareceu em 8 de Março de 2014, na rota de Kuala Lumpur para Pequim com 239 pessoas a bordo. Após vários anos de tentativas infrutíferas para localizar os restos do avião, o governo da Malásia concluiu a busca em Maio de 2018, admitindo não saber o que aconteceu com o avião.