Luanda pintada sob a “Lupa e o Pincel” de Osvaldo Ferreira na Galeria Tamar Golan

Intitulada “Entre a Lupa e o Pincel – Travelling Sobre Luanda”, a Galeria Tamar Golan da Fundação Arte e Cultura, acolhe a exposição individual de Osvaldo Ferreira, que será inaugurada amanhã, 24, e fica patente ao público até ao dia 17 de Junho

A aludida exposição de Osvaldo Ferreira marca uma viagem do autor sobre o universo paisagístico da cidade capital, e deverá ser apreciada em 20 quadros, cuja técnica usada é de óleo sobre tela, em que o artista mostra o seu envolvimento na relação estreita e umbilical com a sua cidade. “Vista de longe, Luanda é bela e ostenta uma mistura fascinante de passado e presente. Mas quanto mais nos aproximamos dela e apuramos os sentidos, a cidade transfigura- se e exala poesia, exibe as suas cores e partilha os seus ruídos, por vezes ensurdecedores, do quotidiano. Ao mesmo tempo, Luanda permanece, ainda hoje, uma cidade ferida, magoada e assustada”, referiu a curadora da mostra.

Karena Cintra Rodrigues considera que o autor debate-se com a cidade que tanto ocupa a sua obra e que tanto o inquieta, com a beleza que transcende e arrebata, e com os pormenores que não sendo exclusivos da cidade lhe são, no entanto, tão característicos, as ruas entupidas de viaturas e vendedores, a confusão e os acidentes, os contrastes, tristes, entre uma modernidade por vezes duvidosa e a penúria certa de muitos, os bairros e os que neles lutam pela sobrevivência… “Em «Entre a Lupa e o Pincel – Travelling Sobre Luanda», o artista faz isso mesmo, viaja de novo sobre a cidade, mantém-se distante mas com um olhar de ave-de-rapina, atento a todos os pormenores”, rematou a também professora Karena Cintra Rodrigues.

Percurso

Natural de Luanda, onde nasceu a 8 de Dezembro de 1980, Osvaldo Ferreira pertence à mais jovem geração de artistas plásticos angolanos e demonstra, desde muito novo, um forte interesse pelo desenho e pela pintura, tendo começado a elaborar os primeiros traços aos 12 anos, fruto da paixão que nutre pelas cores e figuras geométricas. Frequentou o ensino médio no Instituto Médio de Formação Artística e Cultural (INFAC) em 2004, onde manifestara de forma notável a sua veia artística, concluindo o curso de Artes Visuais e Plásticas no Instituto Superior das Artes (ISART) em 2019.

Funcionário do Ministério da Cultura desde 2005, é actualmente membro sénior da União Nacional dos Artistas Plásticos (UNAP). Em 2016, participou na exposição colectiva “Reviver Manguxi”, na Galeria do Desporto em Luanda. No ano seguinte, apresentou no Museu de História Natural “O Impacto das Redes Sociais em Angola”, a sua primeira exposição individual. Ainda no mesmo ano volta a participar numa exposição colectiva, “Exótica” no Atelier Guilherme Mampuya. Em 2018 volta ao Museu de História Natural com a sua segunda exposição individual “Entre a Lupa e o Pincel”.