1º de Agosto sagra-se campeão da AfroLeague em Luanda

Seis anos depois, os militares recuperaram o título da Liga dos Clubes Campeões de África em sénior masculino de basquetebol, após vencer ontem o AS Salé, por 83-71, no Pavilhão Multiusos do Kilamba, em Luanda

O 1º de Agosto sagrou-se ontem campeão da AfroLeague, Liga dos Clubes Campeões de África, após vencer (83-71, o Association Sportive Salé de Marrocos no Pavilhão Arena Multiusos do Kilamba, em Luanda. Com esta vitória, os militares do Rio Seco conquistam pela nona vez o título da prova sob a égide da FIBA- Africa.

Por esta razão, o 1º de Agosto vai tentar recuperar a hegemonia no “Continente Berço”, poderá reforçar deste modo, a primeira posição do ranking a nível da bola ao cesto com 9 títulos conquistados. Além disso, fruto desta proeza, os militares do Rio Seco salvaram a época depois de perderem o Unitel- Basket para o seu rival de longa data, o Petro de Luanda. O AS Forces Armées do Senegal continua a ser a segunda potência do basquetebol no continente com três conquistas (1975, 1979 e 1981).

A jogar num pavilhão com capacidade para 12.720 espectadores, ontem, os pupilos de Paulo Macedo entraram a todo gás. Aliás, a equipa angolana só pensava na vitória, uma vez que resgatar o título perdido em 2014 era o objectivo da equipa central das Forças Armadas Angolanas. Por isso, a equipa angolana nunca deu facilidades ao adversário, aliás, já vencia ao intervalo por oito pontos de diferença, ou seja, 34-42. No terceiro quarto, o AS Salé foi atrás do prejuízo, mas sem argumentos. No quarto período, os marroquinos tentaram reagir encurtando a desvantagem no marcador. Mas o 1º de Agosto continuava melhor, sobretudo do ponto de vista táctico e técnico. O AS Salé demonstrava que tinha muitos aspectos a melhorar, uma vez que pecava pela falta de eficácia. Logo, os rubro-negros tiraram proveito deste factor, e a partir daí nunca mais pararam de mandar no jogo.

Eduardo Mingas eleito MVP da prova

Depois de marcar 20 pontos ontem, o poste angolano Eduardo Mingas foi eleito MVP (jogador mais valioso da prova). Deste modo, o atleta de 40 anos repete o feito conseguido em 2014. Eduardo Mingas disse a O PAÍS que jogar tão alto exige muitos sacrifícios. “Os mais novos devem trabalhar bastante para manter o nível que estou apresentar”. O jogador também fez parte do cinco ideal da competição sob a égide da FIBA-Africa.

Smouha fica no  terceiro lugar

O Smouha do Egipto terminou no terceiro lugar da AfroLeague, ao derrotar ontem, Domingo, o JS Kairouan da Tunísia, por 69- 58, o jogo foi disputado no Pavilhão Arena Multiusos do Kilamba, em Luanda. Mais organizada defensivamente, a equipa egípcia liderou os quatro períodos, sendo que ao intervalo vencia por 37-26. O seu base, o norte-americano James Justice, foi o melhor marcador da partida, com 20 pontos, enquanto do lado contrário Abid Kochat e o americano Lawrence Gilbert fizeram 15 pontos cada.

 

leave a reply