China ameaça deixar Estados Unidos sem acesso a terras raras

China ameaça deixar Estados Unidos sem acesso a terras raras

A advertência é o capítulo mais recente de um conflito que se intensificou desde que o presidente Donald Trump anunciou novas tarifas de importação e decidiu incluir a gigante chinesa das telecomunicações Huawei na sua lista negra. Nesta Quarta-feira, a Huawei anunciou que apresentou uma acção na justiça americana contra a legislação que proíbe, em nome da segurança, o uso dos seus produtos por parte das agências federais dos Estados Unidos.

Na semana passada foram divulgadas imagens do presidente Xi Jinping a visitar uma fábrica de terras raras em Ganzhou, região central da China, um indício da ameaça de interromper as exportações. Uma fonte da Comissão de Desenvolvimento Nacional e Reforma, que planeia a economia chinesa, também comentou a questão na Terça-feira, sem explicar a posição do governo, mas assegurando que a prioridade é “servir primeiro as nossas necessidades domésticas”. A imprensa oficial, no entanto, mostrava-se mais agressiva nesta Quarta-feira.

“Ao travar uma guerra comercial contra a China, os Estados Unidos correm o risco de perder o fornecimento de materiais vitais para manter a sua potência tecnológica”, afirmou a agência estatal de notícias Xinhua. O jornal estatal Global Times advertiu num editorial que o governo dos Estados Unidos “lamentará ter forçado a mão da China nas terras raras”. “Acreditamos que se os Estados Unidos suprimirem cada vez mais o desenvolvimento da China, cedo ou tarde, a China usará as terras raras como arma”, completa o jornal nacionalista.

Dependência

A China produz mais de 95% das terras raras do mundo, enquanto os Estados Unidos dependem da China para 80% das suas importações. As terras raras são um conjunto de 17 elementos químicos indispensáveis para a fabricação de smartphones, telas de plasma ou veículos eléctricos, assim como de câmaras e lâmpadas.