Produção de gasolina quadriplica dentro de dois anos

Produção de gasolina quadriplica dentro de dois anos

A capacidade de produção de gasolina da Refinaria de Luanda passará, a partir de 2021, de 300 para mil e 200 toneladas por ano, com a construção de nova unidade pela pela empresa KT – Kinetics Tecnology.  

A propósito, a Sonangol e a ENI decidiram entregar hoje, mediante um acordo, a construção da nova unidade de produção de gasolina na Refinaria de Luanda à empresa KT – Kinetics Tecnology, que ganhou o concurso público internacional promovido pela petrolífera Italiana – ENI.
O acordo foi assinado pelo Presidente do Conselho de Administração da Sonangol, Sebastião Martins, e pelo vice-presidente executivo da ENI para a África Subsahariana, Guido Brusco, no Centro de Convenções do Talatona (CCTA), à margem da Conferência “Angola Petróleo e Gás”, aberta pelo Presidente da República, João Lourenço.
A Conferència “Angola Petróleo e Gás”, a decorrer até quinta-feira desta semana, em Luanda, conta com a participação de vários gestores públicos angolanos e dos ministros dos petróleos do Sudão do Sul, Níger, da Guiné Equatorial e de São Tomé e Principe, bem como o Secretário-Geral do Fórum Internacional de Energia..
A construção da unidade de produção de gasolina durará dois anos e meio e contará com 600 trabalhadores nacionais. Na fase operacional, abrirá mais de mil postos de trabalho nas áreas civil, mecânica, eléctrica e instrumental.
As obras serão supervisionadas por uma equipa conjunta designada pela Sonangol e a ENI, para assegurar os padrões de segurança, a qualidade, a eficiência e o cumprimento do cronograma de implementação do projecto.
O projecto resulta do acordo de cooperação assinado pela Sonangol e a ENI, em 2018, para o relançamento do sector de refinação de Angola, visando a redução da importação da gasolina. No cumprimento do acordo, a ENI completou uma campanha de manutenção da refinaria que resultou no aumento da sua fiabilidade e iniciou um programa, actualmente em curso na Itália, de treinamento de 40 técnicos da Sonangol na área da gestão de refinarias.