Mais de 130 autocarros parados em Benguela por falta de plano

Em reunião ordinária nesta Terça-feira, 11, o Governo de Benguela recomendou a observância das normas da contratação no concurso para alocação de transportes públicos, de que Benguela carece. Para já, não se sabe quando entrarão em funcionamento as centenas de autocarros novos estacionados há um ano, à espera de um “plano de gestão”

POR:Constantino Eduardo, em Benguela

O Governo provincial de Benguela esteve reunido Terça-feira na sua segunda reunião ordinária, sob a presidência do seu titular, Rui Falcão Pinto de Andrade, tendo analisado uma série de assuntos relacionados com a vida económica, social, cultural e política desta circunscrição territorial. Nos últimos tempos, a província de Benguela tem-se debatido com a problemática da insuficiência de transportes públicos, facto que obriga a que muitos alunos, sobretudo crianças, percorram longas distâncias de casa à escola e vice-versa. Há onze meses, o governador havia prometido transporte escolar gratuito, por ocasião da chegada de cento e cinquenta novos autocarros.

De acordo com a justificação institucional, as centenas de autocarros que se encontram parados há meses no Porto do Lobito e na Catumbela estão apenas dependentes dos “planos de gestão” que estarão a ser “gizados” pelo Ministério dos Transportes. “Da nossa parte, estamos a fazer tudo”, justificou o director do Gabinete Provincial da Educação, Evaristo Calopa, à margem da radiografia de que o seu pelouro tinha sido alvo pelo governador Rui Falcão. Entretanto, determinados segmentos da sociedade receiam que os autocarros, por estarem muito tempo parados, venham a apresentar avarias e, quando o alegado plano estiver concluído, o Governo poder-se-á ver obrigado a gastar avultadas somas em dinheiro para a recuperação e manutenção.

É nesta perspectiva que o Executivo local recomenda a observância das normas de execução de contratação pública no concurso para a alocação de transportes públicos de que Benguela carece, devendo, para o efeito, trabalhar nos planos que visam a organização das zonas de serventia “nas paragens dos transportes públicos das principais cidades e vilas da província”, justificou Aquiles de Carvalho, secretário-geral do Governo. Aquiles de Carvalho, a quem coube apresentar os resultados da reunião, em comunicado, destacou os documentos objectos de análise na reunião do dia 11 de Junho, com particular destaque para a situação da dívida pública da província de Benguela, embora não se avançasse o seu valor global. Relativamente aos recursos consignados como sendo “especiais”, realçou o responsável, os administradores deverão, até dia 5 de cada mês, apresentar o relatório de execução financeira de justificação das verbas que lhes foram alocadas pelo “Gabinete do Senhor Governador”.

No que respeita ao ordenamento do território, os membros tomaram conhecimento do objectivo do Plano de Ordenamento da Caota, município de Benguela, na base do qual se recomenda que se emita parecer “favorável para a sua aprovação pelo titular do Governo”, disse. A II reunião do Governo provincial recomenda igualmente que os sectores dos Transportes e Mobilidade Humana, ENANA trabalhem para a concretização do apetrechamento das estruturas do posto médico do Aeroporto da Catumbela, pela importância que tem no atendimento urgente aos utentes e, por outro lado, insta-os a continuarem a trabalhar no processo de certificação do Aeroporto Internacional da Catumbela.