Congresso extraordinário do MPLA marcado pela ausência do presidente honorário

Congresso extraordinário do MPLA marcado pela ausência do presidente honorário

O Sétimo Congresso Extraordinário do MPLA, realizado no Sábado, 15, em Luanda, ficou marcado pela ausência do presidente emérito do partido ‘dos camaradas’, José Eduardo dos Santos, dissipando assim os rumores e dúvidas sobre a sua eventual presença. Segundo apurou o jornal OPAÍS de fonte daquele partido, o presidente honorário mesmo depois de ter sido convidado pela organização do conclave, duas semanas antes da sua realização, preferiu não comparecer. As últimas informações apontam que Dos Santos continua na Europa, para onde se deslocou em Abril passado com o objectivo de se submeter a uma revisão médica periódica, não havendo até agora notícias sobre uma data do seu regresso ao país.

A fonte, que integra a comissão de organização do congresso declarou que o ex-líder partidário “está convidado (por direito) a acompanhar todos os debates do princípio ao fim”. Para além do ex-presidente do partido, José Eduardo dos Santos, uma das figuras que esteve igualmente ausente foi a sua filha Welwítschia “Tchizé” dos Santos, depois de na semana passada ter sido suspensa do Comité Central, alegadamente por conduta atentatória contra a disciplina do partido e princípios emanados nos Estatutos e Código de Ética partidário. Tchizé dos Santos até ao momento é uma das militantes do MPLA que tem adoptado uma postura bastante crítica a governação do actual presidente João Lourenço, por via das redes sociais. Entretanto, outras figuras que eram apontadas como possíveis ausências, dentre os membros do Comité Central do partido MPLA, por não participarem das reuniões preparatórias, eram o antigo porta-voz, Norberto Garcia, assim como o deputado Manuel Rabelais.

O congresso extraordinário visou também traçar estratégias para desafios como as eleições autárquicas, alargar o Comité Central e garantir maior abertura democrática com reais ganhos no que diz respeito à liberdade de imprensa e de pensamento, de expressão e de manifestação. Participaram no congresso extraordinário, que decorreu no Centro de Conferência de Belas, em Luanda, dois mil e 448 delegados, dos quais 777 mulheres e mil e 671 do sexo masculino. Este órgão de direcção do MPLA passou de 366 para 497 membros. Sessenta e um por cento dos novos 134 membros são jovens, o que visa assegurar a transição geracional.