MED quer melhores resultados nas áreas dos desportos, cultura e arte

O secretário de Estado para o Ensino Pré-Escolar e Geral, Pacheco Francisco, afirma que no sector da Educação o professor não pode considerar-se auto-suficiente e a capacitação deve ser permanente, pois, a cada dia vão aparecendo novos métodos. Extracto de uma entrevista a acompanhar esta semana

O Ministério da Educação (MED) pretende ver melhorados os resultados do processo de ensino nas áreas dos desportos, cultura e artes nas crianças, através do programa de Capacitação de Professores do Ensino Primário (CAPPRI). A pretensão foi manifestada a OPAÍS pelo secretário de Estado para o Ensino Pré-Escolar e Geral, Pacheco Francisco, que reconhece que a formação nestas três dimensões do currículo escolar ainda é pouco explorada. Pacheco Francisco diz ser necessário capacitar permanentemente os professores para melhorarem as suas habilidades e incentivarem nas crianças o gosto pelo desporto, cultura e artes, através de pequenos jogos e brincadeiras nas classes iniciais.

“Hoje, lamenta-se a falta de professores capacitados, por exemplo, em educação física, mas no ensino primário é necessário que se tenha o mínimo dr de conhecimento em expressão motora porque, senão, corre-se o risco de deformar a criança”, disse, Pacheco Francisco, sublinhando que é nestes aspectos em que o CAPPRI está a intervir. Só no ensino primário, o país conta com mais de 120 mil professores, alguns dos quais já beneficiam de formação de um outro projecto do Ministério, o PAT, mas este não inclui a formação nas áreas dos desportos, cultura e artes.

A falta de recintos desportivos no interior das escolas é uma realidade, mas o responsável disse que para as classes iniciais os professores podem adaptar as salas de aulas para a realização de pequenos jogos lúdicos que ajudem a descontrair e despertar o interesse nesta fase. Os resultados que as crianças mostram nas três componentes ainda não são dos melhores e estão distantes do desejado. “Na educação não há limite para a aprendizagem e o professor não pode dizer que já sou auto- suficiente, porque a cada dia que passa vão aparecendo novos métodos”, explicou.

Sobre o CAPPRI

O projecto CAPPRI, que começou em 2018 e, até ao momento, capacitou quatro mil professores em Luanda, nas áreas da Língua Portuguesa, Matemática, desporto, cultura e artes, tem resultados positivos, segundo o governante. O projecto em referência foi avaliado pelo Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento da Educação (INIDE) e transmitirá técnicas modernas de ensino baseadas na informação, partilha e na troca de ideias, através de um Guia Pedagógico de apoio à formação que permitirá proporcionar uma interacção teórico-prática, através da metodologia “ensinar a ensinar”. O CAPPRI vai actuar nas áreas de leitura e escrita, Matemática, Cultura e Artes, sendo que à medida que o método se desenvolva poder-se-á identificar outras disciplinas em que os professores tenham dificuldades. Este ano, o projecto pretende incluir as províncias de Benguela e Huíla. Em 2020, será a vez das províncias do Uíge, Cuanza-Sul, Bié e Malange. Para 2021, o MED vai escalar o Cuando Cubango, Cunene, Lundas Norte e Sul, Zaire e Cabinda e, a última fase, em 2022, será a vez de Moxico, Cuanza-Norte e Bengo para capacitar, em cinco anos, 50 mil professores.

error: Content is protected !!