Uma biografia com “revelações inéditas” sobre Mário Cesariny

A biografi a do poeta e pintor surrealista Mário Cesariny, pelo escritor António Cândido Franco, chega na Sexta-feira às livrarias, trazendo “revelações inéditas e um invulgar manancial de informação”, anunciou a Quetzal Editores

Descrita como “retrato vivo de uma das maiores vozes da poesia portuguesa”, esta biografia intitulada “O Triângulo Mágico — Uma Biografia de Mário Cesariny” concilia vida e obra, passado e futuro daquele que é considerado o principal representante do surrealismo português. Além disso, publica algumas “revelações inéditas” sobre o autor, além de apresentar um grande conjunto de informação adicional, indica a editora. António Cândido Franco, autor também de “O Estranhíssimo Colosso”, biografia de Agostinho da Silva, descreve Mário Cesariny de Vasconcelos como alguém que “nunca teve medo da liberdade e deu de barato qualquer verniz para se apresentar aos seus contemporâneos”.

“A vida de Cesariny tem desta forma um traço mágico. É uma vida exemplar no seu timbre de revolta, de resistência, de luta assanhada contra um meio mesquinho”, acrescenta. Tendo feito parte de uma geração e de uma época em que os poetas e escritores abdicavam da sua biografia por causa da censura, Mário Cesariny lutou desde muito cedo para assumir uma vida cheia, sem censuras ou censores, “para ligar a palavra e a vida numa mesma busca de liberdade e de espírito”, explica António Cândido Franco. Poeta, pintor e referência fundamental do surrealismo português, é tido como uma das maiores vozes da poesia portuguesa do século XX, sendo de destacar ainda o seu trabalho de antologista, compilador e historiador, um tanto polémico, das actividades surrealistas em Portugal.

Para Cesariny, que fez parte do famoso grupo do Café Gelo (tertúlia que juntava várias personalidades artísticas da chamada segunda geração surrealista), o surrealismo representava “a realização total do nosso estado de espírito, a defesa do amor, da liberdade e da poesia”, diz o autor da biografia. Segundo António Cândido Franco, a obra de Mário Cesariny, tanto na poesia como na pintura e na vida real, foi testemunho dessa enorme vontade de viver. “Rebelde, insólito, desafiador, Cesariny marcou com a sua obra várias gerações de leitores e de autores que fazem dos seus versos referências únicas, que ultrapassam a pura literatura e o colocam sempre mais além, na própria vida”, afirma. António Cândido Franco é autor de vários estudos sobre literatura e cultura portuguesas, além de romances, poesia e peças de teatro, e é também professor na Universidade de Évora. Alguns dos seus títulos são: “A Literatura de Teixeira de Pascoais” (2000), “A Rainha Morta e o Rei Saudade” (2003), “Viagem a Pascoais” (2006), “O Apocalipse de D. Carlos” (2008), “Notas para a Compreensão do Surrealismo em Portugal” (2013) e “O Estranhíssimo Colosso” (2015).

error: Content is protected !!