Criar a nova era para cooperação China-Angola com o FOCAC

Entre os dias 24 e 25 de Junho, a Reunião dos Coordenadores para a Implementação dos Frutos da Cimeira de Beijing do Fórum de Cooperação ChinaÁfrica (FOCAC) será realizada em Beijing. Em seguida, a 1ª edição da Exposição Económica e Comercial China-África será realizada na Cidade de Changsha, província de Hunan. Na conjuntura internacional de mudança profunda e complexa, a China e a África trabalham em parceria na realização dos dois eventos para promover a implementação dos consensos e os frutos da Cimeira, e mostrar ao mundo a sua vontade e determinação em reforçar a cooperação, defender o multilateralismo e construir uma Comunidade de Destino Comum China-África cada vez mais sólida. Dirigentes do Governo angolano, representantes das associações empresariais e um grande número de empresários participarão nos dois eventos.

Nos últimos anos, as relações sino- angolanas têm-se desenvolvido rapidamente com a confiança política mútua vêm-se aprofundada constantemente, os nossos países mostraram uma sintonia e têm-se apoiado mutuamente nos assuntos regionais e internacionais. E os frutos abundantes da cooperação na área económica-comercial, assim como no intercâmbio cultural e de pessoas, têm ajudado na consolidação do desenvolvimento económico-social de Angola. A parceria entre a China e Angola já se tornou um exemplo para as cooperações China-África e Sul-Sul.

Actualmente, ambos os países a China e Angola estão numa fase crucial para a mudança no modelo de desenvolvimento, a cooperação entre os dois países estão a conhecer oportunidades históricas . As Oito Acções, anunciadas na Cimeira de Beijing do FOCAC pelo Presidente Xi Jinping, correspondem às necessidades do desenvolvimento económico e social de Angola, abrindo um novo rumo da cooperação bilateral. As empresas chinesas aderem espontaneamente ao progresso da diversificação económica de Angola, investindo nas áreas da agricultura, pesca, manufactura e outras áreas em foco, fromando muitos trabalhadores e técnicos locais. Ao mesmo tempo, o Governo da China doou um Centro de Demonstração de Tecnologia Agrícola atendendo a necessidade do Governo angolano, que serve como uma importante plataforma de cooperação para experimentos agrícolas e formação de quadros. A Reunião dos Coordenadores no mês corrente pretende reforçar a interligação entre as partes sobre a implementação dos frutos da Cimeira de Beijing do FOCAC, e guiar o desenvolvimento da cooperação China-Angola a desenvolver uma forma sustentável e da mais alta qualidade, beneficiando mais os povos dos dois países.

A China vê em Angola um parceiro importante no continente africano, e tratou o país como Convidado de Honra na Exposição Económica e Comercial China-África. O Governo angolano também atribui grande importância a este assunto, enviando uma delegação de alto nível com cerca de cem membros para visitar a China. Esta delegação é composta por oficiais e empresários dos domínios de comércio, investimento, agricultura e indústria, e será uma das maiores delegações africanas na Exposição. A parte chinesa acredita que Angola usufruirá bem a oportunidade para apresentar a imagem nacional e as políticas para atrair investimentos externos, promover a exportação dos produtos como frutas tropicais, café, mel e bebidas à China, e convidar mais empresas chinesas a instalarem-se em Angola, o que pode dinamizar mais a cooperação China-Angola na área económica e comercial.

A China tem toda a confiança no potencial de desenvolvimento de Angola e na cooperação China- Angola. Guiada pelo conceito de construir a Comunidade de Destino Comum China-África na nova era, a parte chinesa está disposta a aproveitar a oportunidade de implementação dos frutos da Cimeira de Beijing e trabalhará estreitamente com a parte angolana para expandir e aprofundar a cooperação em todas as áreas, enriquecendo a conotação da Parceria Estratégica China-Angola, acelerando os passos da transformação e a melhoria da eficácia das nossas cooperações, elevando a relação China- Angola para novo patamar.

Por: GONG TAO

Embaixador da China em Angola

 

error: Content is protected !!