ADRA forma técnicos de desenvolvimento comunitário para as autarquias

Técnicos de desenvolvimento comunitário das antenas da Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA) das províncias da Huíla, Cunene, Luanda e Malanje, receberam, nesta cidade, de 17 a 21 de Junho, formação sobre metodologias de intervenção rural nos municípios, antevendo as autarquias

Por: Miguel José , Malanje 

No acto da abertura, o diretorgeral da ADRA, Belarmino Jelembi, descreveu a necessidade de os cidadãos nas áreas mais recônditas do país munirem- se de informações exactas sobre o processo autárquico, de modo a enfrentarem os novos desafios. Jelembi fundamentou que o objectivo da formação é contribuir para uma forma pedagógica, didáctica e, também, sistemática, para que os cidadãos possam desenvolver ideias próprias sobre o processo autárquico.

Porém, por ser um processo novo, exige que os cidadãos dominem as questões básicas sobre a sua intervenção nos municípios, de como se estabelecem os consensos, de como se faz a articulação, de tal maneira que os projectos tenham o impacto desejável.

Paralelamente às questões autárquicas, a formação reflectiu sobre os factos relevantes do contexto político, social, ambiental, fundiário e económico do país ao longo dos últimos doze meses; a compreensão sobre a prática organizacional da ADRA através da sistematização de experiências às estratégias de resiliência, às alterações climáticas, à legalização de terras comunitárias.

De igual modo, foram abordados, entre outros, temas relacionados com a análise do contexto do país, partilha de experiências de apoio à legalização de terrenos comunitários rurais, aprofundamento do estudo dos métodos de trabalho com as comunidades rurais e educação cívica para o processo autárquico.

Educação cívica para o processo autárquico Neste ponto, os participante reflectiram em torno de todo o trabalho desenvolvido no sentido de contribuir para a preparação das comunidades com as quais a ADRA trabalha, bem como a identificação de linhas de actuação para o reforço das acções de educação cívica para o processo autárquico. Invocaram a necessidade do reforço das acções de educação para o processo autárquico, como pilar para a construção da democracia participativa, factor que está associado ao desenvolvimento de mecanismos que permitam a participação dos cidadãos através das suas organizações. Daí que a implantação das autarquias represente um grande desafio para o Governo angolano, bem como para a sociedade civil.

Sobre a análise do contexto do país

Ao analisarem o contexto do país nos últimos 12 meses, os participantes debruçaram-se, particularmente sobre a situação nas províncias do Cunene, Huíla, Luanda e Malanje, tendo constatado que, à semelhança do resto do país, se registaram melhorias nos mecanismos de diálogo entre as instituições do Estado e as comunidades e uma maior abertura dos órgãos de comunicação social públicos.

Em contrapartida, concluíram que o crescimento da taxa de desemprego, a redução do poder de compra das famílias e ao aumento do número de crianças fora do sistema de ensino, principalmente nas zonas afectadas pela seca, agravou a situação social. Outrossim, as dificuldades que os camponeses e agricultores familiares continuam a enfrentar na realização das suas actividades agrícolas e pecuárias, sobretudo no que toca ao acesso aos insumos e equipamentos, assistência técnica e comercialização dos produtos agrícolas, foi um dos pontos que mereceu a reflexão dos participantes. Contudo, os participantes sublinharam a importância da elaboração das agendas dos Conselhos de Auscultação às Comunidades, de forma participativa, tendo em vista à formulação de planos mais ajustados à realidade local.

Assim, a ADRA predispõe-se a apoiar as organizações locais com as quais trabalha, na preparação de propostas a submeter nas sessões dos conselhos de auscultação às comunidades; melhorar o processo de recolha e análise da informação sobre a evolução da actividade agropecuária nas áreas abrangidas pela intervenção da ADRA; aprimorar a monitoria das estratégias de adaptação e resiliência utilizadas pelas comunidades para lidar com a problemática da seca e desenvolver mecanismos para o seu reforço.

O XX Módulo da Formação em Desenvolvimento Comunitário dirigida aos quadros da ADRA nas províncias do Cunene, Huíla, Malanje e Luanda, contou com a participação de mais 100 técnicos a ADRA.

error: Content is protected !!