Palancas empatam na estreia

No jogo da primeira jornada do grupo E, ontem, os pupilos de Srdjan Vasilevic empataram a uma bola com a Tunísia. O golo dos angolanos foi marcado por Djalma Campos, aos 73 minutos, na recarga depois de um remate de Mateus Galeano

A Selecção Nacional de futebol empatou ontem a uma bola com a Tunísia, em jogo a contar para a primeira jornada do grupo E do CAN 2019, que decorre no Egipto. Na cidade de Suez, os Palancas Negras entraram determinados a vencer a partida, mas as Águias de Cartago foram mais ousadas do meio campo para frente. Com remates a longa distância, tentavam bater o guarda redes Tony Cabaça, que, no entanto, estava sempre atento. No corredor esquerdo, o lateral Paizo dava o ar da sua graça. Subia e servia sempre Djalma Campos à entrada da grande área. A pressão dos tunisinos obrigou os angolanos a baixarem as suas linhas ofensivas, provocando alguns furos no meio campo.

Por isso, aos trinta e três minutos, numa jogada de contra-ataque, os tunisinos bateram a defesa angolana. Paizo, no lado esquerdo, tocou no pé de um avançado, mas o árbitro de nacionalidade etíope, Bamlak Tessema, que assinalou o respectivo penálti,exibiu a cartolina amarela ao guarda-redes Tony Cabaça. Yuossef Msakni não deu chances ao “keeper” angolano, transformando a grande penalidade em golo. Apesar da vantagem das Águias de Cartago, os Palancas Negras aumentaram o pendor ofensivo, mas tiveram sempre uma resposta a altura. Antes do árbitro mandar todo o mundo para os balneários, os adversário dos Palancas Negras voltaram a causar perigo na baliza de Tony Cabaça. No reatamento da partida, o técnico Srdjan Vasilevic fez algumas mudanças na sua equipa e apostou mais no futebol ofensivo.

Lançou para o jogo Gelson Dala e Geraldo, atletas que deram uma outra dinâmica ao futebol dos Palancas do meio campo para a frente. Os dois jogadores obrigaram a Tunísia a recuar, porque o golo estava à espreita, aliás Djalma passava pelos seus adversários com facilidade. Aos 77 minutos, numa jogada conduzida por Mateus Galiano, na ressaca, Djalma Campos empatou a partida. Com este resultado, Angola e a Tunísia têm um ponto. Os Palancas Negras voltam a jogar no Sábado contra a Mauritânia, às 18:00. Hoje, a Selecção Nacional realiza um treino de recuperação, segundo o programa de preparação.

Selecção com patrocínio de quatro anos

Os Palancas Negras, por via da Federação Angolana de Futebol (FAF), contam, desde ontem, com o patrocínio da Luandina-Sodiba, marca angolana de cerveja. Apesar de os termos do contrato não serem públicos em detalhe, a Selecção Nacional terá com a marca um vínculo de quatro anos. Segundo uma nota a que este jornal teve acesso, o contrato visa fortalecer os programas e projectos dos Palancas Negras. Assim espera-se que a bandeira de Angola seja devidamente representada no CAN que decorre em solo egípcio desde o dia 21 do corrente mês. Na maior festa do desporto rei, Geraldo do Al-Ahly do Egipto, apesar de estar lesionado, é um dos atletas mais citados pela imprensa desportiva daquele país.

Joel Tagueu fora do palco dos Faraós

Joel Tagueu está fora do CAN e tem a carreira em risco. De acordo com um comunicado emitido pela Federação Camaronesa de Futebol, foi detectado um problema cardíaco ao avançado do Marítimo, um problema que lhe poderia causar morte súbita no relvado, se não parasse imediatamente de competir. Médico da equipa, o dr. William Ngatchou detectou uma anomalia na implantação da artéria coronária. “A suspeita foi levantada no Qatar e confirmada já no Egipto”, disse.

Camarões: a vez do campeão

Os Camarões, campeões africanos, entram hoje no grupo F frente a Guiné Bissau, às 18:00, na cidade de Ismailia. Nesta partida, os Leões Indomáveis são obrigados a triunfar para manterem o estatuto de campeões continentais. Aliás, estão na prova para revalidar o troféu, mesmo jogando numa casa difícil e que bem conhecem há anos.

Com uma selecção jovem, mas com atletas experientes e que actuam nas melhores equipas do Velho Continente, querem vergar a Guiné Bissau. DR DR Por isso, os guineenses são obrigasos a dar o litro para surpreenderem os Camarões, formação que na final do CAN passado deixou para trás o Egipto. A greve na selecção camaronesa foi ultrapassada, aliás, houve a intervenção do antigo craque Samuel Etó’o. Os atletas reclamavam por prémios e outros benefícios, mas nada os impedia de entrar para vencer o desafi o. Porém, se a Guiné for forte e tiver conjunto, pode, também, aproveitar esse momento dos Camarões para fazer o seu jogo e vencer.

No continente africano, sem desprimor para as demais selecções, os Camarões despertam a atenção de vários fãs do futebol. Naquela selecção já passaram atletas craques que brilharam nos quatro cantos do mundo do desporto rei. Roger Milla, Makanaki, Jacques Songó, Thomas Nkono, os irmãos Omam-Biyik, Samuel Etó’o, Marc-Vivien Foé, Patrick Mboma, Rigobert Song e outros são as estrelas que já vestiram a camisola dos Leões Indomáveis em várias competições internacionais.

PR felicita pupilos de Srdjan Vasilevic

O Presidente da República de Angola, João Lourenço, felicitou, ontem, a Selecção Nacional de futebol, os Palancas Negras, pelo empate a um golo diante da Tunísia, em jogo disputado no estádio de Suez e contar para o CAN 2019 que decorre no Egipto. “Parabéns, Palancas, fomos melhores em campo”, escreve o Presidente na sua conta no Twitter, antes de acrescentar que “mantém-se a esperança” de mais feitos. Os Palancas Negras já estiveram nos campeonatos africanos da África do Sul (1996), Burkina- Faso (1998), Egipto (2006), Ghana (2008), Angola (2010), Gabão/ Guiné-Equatorial (2012) e África do Sul (2013).

error: Content is protected !!