Carta do leitor: Temos de mudar para o pais mudar

Carta do leitor: Temos de mudar para o pais mudar

POR: Ana Maria Bizerra Machado

Caro Director, bom dia e boa semana. infelizmente, somos muitos a contribuir para que o país não mude. É muita gente a cometer. o mal vem dos grandes aos pequenos e vice-versa. uns mais graves e outros menos, mas todos prejudicam e retardam, e de que maneira, o bem-estar e o progresso social para uma vida melhor e com alta dignidade. o espaço da carta será pouco para descrever e exemplificar, mas vamos fazer sentir alguns males: Pedimos dinheiro emprestado, ficamos hipotecados e construímos obras que não duram. E como os chefões não usam os nossos hospitais e nem os seus filhos as nossas escolas, vamos andando…….. A cada dia que passa descobrem-se fantasmas em várias instituições. Significa que podemos empregar mais gente, porque o dinheiro ilegal que vai para os bolsos de gestores que mereciam prisão perpétua ronda os milhões, biliões e triliões de kwanzas. Temos muitas fábricas abandonadas à espera de recuperação e regiões com rios, terra fértil, mas sem agricultura e indústria. É muito desperdício, em vários ângulos. Muita coisa que deveria ser aproveitada é desperdiçada, como a água, o lixo e a energia. Centenas de lâmpadas fi cam acesas durante o dia. Milhares de carros são lavados nos quintais das residências. E preciso ter noção do mal. Enquanto os ladrões de fato e gravata fazem das suas, piorando a vida do povo, há cidadãos que não amam e acarinham a própria terra: Há dias vi um ofi cial das FAA, no Nova vida, que parou junto a um contentor de lixo, abriu o vidro do carro, atirou um saco de lixo que caiu fora do contentor e arrancou, deixando o lixo no chão. Como aquele militar, há muitos a atirarem latas garrafas e cascas de banana na via pública. Além disso, há muita gente a urinar “à torta e à direita”. Mijam por cima do país em qualquer sítio, sem o mínimo respeito, constituindo um perigo a saúde e moral públicas. Temos de mudar para o pais mudar. Caso não, vamos continuar de mal a pior. Hoje fico por aqui. Com a mais alta gratidão.