ANGOLA DECIDE APURAMENTO COM O MALI NA ÚLTIMA RONDA

A Selecção Nacional de futebol vai decidir o apuramento para os oitavos-de- nal na última jornada quando defrontar o Mali. Para o efeito, terá de vencer e torcer por um deslize da Tunísia frente à Mauritânia. Ontem, os Palancas Negras empataram a zero com a Mauritânia, em jogo referente à segunda jornada do grupo E

Os Palancas Negras desperdiçaram ontem, no Estádio de Suez, a oportunidade de ascender ao segundo lugar do grupo E ao consentirem uma igualdade a zero com a Mauritânia. Deste modo, o combinado nacional angolano está obrigado a vencer a formação do Mali na última jornada e torcer por uma escorregadela da Tunísia frente à Mauritânia, para se qualificar aos oitavas-de-final.

Durante a partida, os Palancas Negras foram os que mais importunavam a defensiva dos maurabitones, mas estes fechavam-se muito bem e nunca deram espaço de manobra.

A Selecção Nacional chegou a marcar por intermédio de Geraldo, aos 89 minutos, mas, o árbitro egípcio Ibrahim El Din anulou o golo do antigo jogador do 1º de Agosto por fora de jogo. Com este resultado, os Palancas Negras mantêm- se na terceira posição, agora com dois pontos.

A Mauritânia, por sua vez, continua na última posição com apenas um ponto. Na tabela classificativa, o Mali lidera a série E com quatro pontos, enquanto a Tunísia fi gura na segunda posição com dois pontos.

Reacções após o jogo

O antigo internacional pelos Palancas Negras, Rui Gomes, confessou a O PAÍS que Angola não saiu do jogo com os três pontos na bagagem porque os atletas estavam sem motivação por força do não pagamento do prémio de 500 mil dólares entregues a cada uma das 24 selecções que se apuraram para a prova.

“Estivemos muito mal. Não conseguimos vencer, uma vez que os jogadores estavam sem motivação. O não pagamento do prémio pela qualificação afectou o redimento deles. Eu já previa”, disse Rui Gomes, antigo presidente da Associação Provincial de Futebol de Luanda (APFL)

error: Content is protected !!