Ministro defende que transportes precisam de sustentabilidade

Ministro defende que transportes precisam de sustentabilidade

O ministro dos transportes, Ricardo de Abreu, discursou durante o Conselho Consultivo do pelouro que dirige, sobre a estratégia do sector. O encontro reuniu cerca de 300 quadros de várias empresas tuteladas pelo ministério.

O Ministério dos Transportes necessita definir um quadro sustentável de mobilidade urbana para todo o território nacional, disse o ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu.

No encerramento do Conselho Consultivo do Ministério dos Transportes, Ricardo de Abreu sublinhou que na próxima semana terão encontros com o Governo Provincial de Luanda para a criação de um grupo de trabalho que vai ter a responsabilidade de propor um novo quadro para a solução dos problemas Ministro defende que transportes precisam de sustentabilidade de mobilidade na capital do país.

Por outro lado, o governante disse que os profissionais do sector devem ter como grande missão servir com humildade, probidade e sustentabilidade a população. Explicou que se estende aos órgãos de regulação e supervisão, empresas do sector, parceiros e investigadores para ajudarem a ter um sector mais vibrante e importante no contexto da economia nacional.

Ricardo de Abreu defende que o sector dos transportes tem de chegar mais longe, dar um contributo muito mais sustentado para o crescimento económico.do país. Neste sentido, prosseguiu, é preciso agilidade, ressalvando que há ajustes institucionais a fazer, como um quadro legal que exigirá algumas reformas.

“Temos regulamentação por aprovar, mas acima de tudo precisamos de acelerar o quadro de modo a permitir que consigamos atrair o sector privado para o investimento no sector e o contributo para o crescimento da nossa importância relativa ao nível da economia e o aumento da competitividade”.

O XI Conselho Consultivo do Ministério dos Transportes realizou- se de 27 a 28 deste mês, sob o lema “Consolidação da acção do sector dos transportes na economia”, que abordou estratégias e acções do sector que contribuam de forma efectiva no crescimento do produto interno bruto.

O evento reuniu mais de 300 participantes e abordou a necessidade urgente do funcionamento das plataformas logísticas em todo o país, cujo dinamismo colocará sobre rodas o sistema de escoamento dos produtos nacionais, do campo para as cidades, e dos portos para o mundo.