JURA critica política de inserção de jovens na sociedade

A Juventude Unida Revolucionário de Angola (JURA) diz estar preocupada com a falta de políticas de inserção dos jovens na sociedade, acusando o Estado de se demitir das suas responsabilidades previstas na lei

POR: Constantino Eduardo, em Benguela

O secretário provincial de Benguela da JURA manifestou-se preocupado com ausência de uma política eficiente no País que permita a inserção dos jovens na sociedade. David Sabino discursava à margem das celebrações dos 45 anos de existência daquela organização política, a assinalar-se no próximo dia 18, e considera mais vulneráveis os jovens moto-taxistas e zungueiros, alvos preferenciais da Polícia Nacional.

O político entende que este cenário, que tem deixado grande parte dos jovens desempregados, é um dos motivos do elevado índice de criminalidade que diz registar-se na região. “O número de mortes nos bairros, nos últimos tempos tende a aumentar por conta da criminalidade”, sublinhou aquele dirigente do “galo negro”. Para ele, o Governo sustentado pelo partido MPLA, há muito que tem escapado das suas responsabilidades para com a juventude, o que, na sua opinião, acaba violando os direitos dos jovens consagrados na Constituição da República. O dirigente retorquiu os apelos constantes do Executivo no sentido da juventude apostar no empreendorismo, por considerar ser arriscado investir no sector privado com o agravamento dos impostos. “Quer o tão propalado IVA, quanto o IRT, se não encarecem os produtos, abrem-se precedentes para que todo o investimento concorra para uma possível falência”, observou.

Na visão da JURA, a juventude carece de maior oportunidade de formação e de trabalho, numa altura em que boa parte das empresas, sobretudo privadas, estará a declarar falência, dada à escassez de divisas e a depreciação do Kwanza. “Somos uma juventude sacrificada, mas não perdida”, sublinhou Sabino, tendo garantido, a julgar pelo contexto “desolador”, continuar a pugnar pela defesa e respeito aos princípios democráticos e dos direitos humanos. “Contribuir para a consolidação da paz, da reconciliação nacional, democracia multipartidária e os princípios de um estado democrático e de Direito”, concluiu. A JURA é a organização juvenil da UNITA, fundada a 28 de Outubro de 1974 na província do Moxico, em memória do então jovem David Jonatão Chingunji “Samuimbila”, tombado no combate ao colonialismo português.

error: Content is protected !!