Colectiva brasileira “Deslimitadas” apresenta performance de rua no “FESTECA”

A apresentação, com duração de 30 minutos, retrata um encontro entre as mulheres, para a reflexão do seu papel na sociedade

A colectiva brasileira “Deslimitadas”, composto por três actrizes, apresentou na Sexta-feira, 12, defronte ao Centro de Animação Artística do Cazenga (Anim’Art) uma performance de rua, denominada “Intervenção urbana” em prol da XIV edição do Festival Internacional de Teatro do Cazenga (FESTECA). A apresentação, com duração de cerca dde 30 minutos, retrata um encontro entre mulheres, para reflexão sobre o seu papel na sociedade.

Com a referida peça, segundo Lígia Helena, pretenderam mostrar as injúrias sofridas pelas mulheres, como aquelas que não estudam, porque são proibidas pelos esposos, as que trabalham e não são remuneradas, que não têm direito a voto nem a conduzir um carro e as que são engravidadas, e depois abandonadas pelos homens. “São várias as situações que ocorrem no mundo e fica difícil saber de todas.

Trouxemos, nesta narrativa, a nossa vivência como mulheres e aquilo que vamos acompanhando no nosso dia-adia. Se uma mulher romper com qualquer lógica que nos é atribuída, como o lar, casamento e a família, é chamada por vários epítetos nada abonatórios, mesmo sabendo que ela tentou conquistar a sua liberdade. Somos muito injustiça dos socialmente”, observou.

Quanto à apresentação na rua, considerou ser um pouco “Arriscada”,(…) por não haver uma arquitectura protectora, como acontece no palco. Disse ainda que nesse tipo de apresentação ser necessário relacionar-se com o público, facto que considera como experiência inédita. Avançou também ser a primeira experiência em solo africano, facto que enaltece.

“A intervenção de uma realidade intervém nesta mesma realidade. Uma intervenção artística muda a maneira das pessoas, verem as coisas. Todos irão para as suas casas, mas não esquecerão facilmente o que viram aqui, porque tiveram a oportunidade de interagir directamente com os artistas”, considerou.

Sobre o festival As actrizes enalteceram a realização do festival, por acharem oportuno o intercâmbio artístico e o fomento da manifestação cultural. “Foi muito bom ver as pessoas a aderirem ao nosso espectáculo.

É muito bom, com a gratuitidade do evento, ver o teatro lotado e essa pequena apresentação que fizemos na rua encher. Isso sim, é cultura e esperamos vir nos próximos anos, assim como os outros grupos brasileiros”, disse.

O FESTECA encerra no Domingo, 14, com a distinção dos participantes em várias categorias, como a de “Melhor encenação”, “Trabalho criativo”, “Performance”, “Melhor cenário”, “Trabalho paralelo”, “ Trabalho de identidade cultural”, “Grupo revelação”, “Actor do festival” e “Actriz do festival”.

leave a reply