Manuel Augusto admite fraqueza nas relações com a Namíbia

O ministro angolano das Relações Exteriores, Manuel Augusto, admitiu ontem, em Windhoek, que o elo mais fraco nas relações entre a Namíbia e Angola reside nos baixos indicadores de cooperação em termos económicos

O governante, que falava na abertura da V Comissão Mista Bilateral de Cooperação entre Namíbia e Angola, defendeu, por conseguinte, a “difícil” missão de preencher esta lacuna. “A maioria dos acordos e memorandos de entendimento rubricados entre os nossos países continuam por implementar ao longo dos anos, por isso a nossa tarefa será rever e determinar aqueles acordos que tenham sido ultrapassados”, sustentou.

Manuel Augusto classificou de excelentes as relações que os dois Estados têm vindo a registar nos últimos anos, sob a influência dos respectivos presidentes, porém, não têm sido acompanhados por um desenvolvimento visível na sua cooperação, segundo a Angop. Por este facto, considerou que a cooperação económica vai exigir maior pragmatismo e a definição de medidas concretas para resolver estas anomalias, aproveitando o potencial existente para a cooperação nos mais diversos domínios.

O governante afirmou que a prossecução destes objectivos passa pela seriedade e acutilância do processo. No fim da reunião, foi produzido um Protocolo de Cooperação, a ser assinado pelo ministro Manuel Augusto e a sua homóloga namibiana, Honourable Netumbo Nandi-Ndaitwah. A última Sessão da Comissão Mista Angola/Namíbia realizou-se em 2014, em Luanda

error: Content is protected !!