Investir USD 6 biliões por pode evitar 4,5 milhões de mortes por hepatite até 2030

Este Domingo, 28 de Julho, marcou o Dia Mundial de Combate à Hepatite. ara a grande maioria dos 325 milhões de pessoas que vivem com hepatite B e C, o acesso a testes e tratamento permanece fora do seu alcance

Investir USD 6 biliões por ano na eliminação da hepatite em 67 países de renda baixa, em média evitaria 4,5 milhões de mortes prematuras até 2030. De acordo com as Nações Unidas, mais de 26 milhões de vidas também seriam poupadas após essa altura A conclusão é de um novo estudo da Organização Mundial de Saúde, OMS, publicado esta semana no periódico Lancet Global Health. Este Domingo, 28 de Julho, marcou o Dia Mundial de Combate à Hepatite.

Investimento

Para marcar a data, a OMS apela aos países para que aproveitem as recentes reduções nos custos de diagnóstico e tratamento da hepatite viral e aumentem os investimentos na eliminação de doenças. Segundo o novo estudo, é necessário até 2030 um total de USD 58,7 biliões para eliminar a hepatite viral como ameaça à saúde pública nesses 67 países. Isso significa reduzir as novas infecções por hepatite em 90% e as mortes em 65%. Em nota, o director-geral da OMS disse que “80% das pessoas que vivem com hepatite não conseguem os serviços de que necessitam para prevenir, testar e tratar a doença”. Tedros Ghebreyesus pediu “uma liderança política ousada, com investimentos correspondentes”. A agência pede “a todos os países que integrem serviços para hepatite em pacotes de benefícios como parte do seu caminho rumo à cobertura universal de Saúde”.

Poupança

Investindo em testes diagnósticos e medicamentos para o tratamento da hepatite B e C, os países podem salvar vidas e reduzir custos relacionados com o tratamento prolongado da cirrose e do cancro do fígado, algumas das consequências da doença. Alguns países já estão a actuar. O Governo da Índia, por exemplo, anunciou que oferecerá testes gratuitos e tratamento para as hepatites B e C como parte do seu plano universal de cobertura de saúde. A decisão foi possível devido à redução dos preços dos medicamentos. Na Índia, a cura da hepatite C custa menos de USD 40 e um ano de tratamento da hepatite B custa menos de USD 30. O Governo do Paquistão também conseguiu contratar tratamento a preços baixos. Tratar todos os pacientes no país com hepatite C também pode reduzir os custos de saúde dentro de três anos. Esse Estado, que tem uma das mais altas taxas anuais de infecção pelo vírus da hepatite C, está a lançar um novo plano para interromper a transmissão.

Acesso

Segundo a OMS, para a grande maioria dos 325 milhões de pessoas que vivem com hepatite B e C, o acesso a testes e tratamento permanece fora do alcance. Dos 257 milhões que viviam com infecção por hepatite B, apenas 10,5% conheciam o seu estado em 2016 e, de entre as pessoas diagnosticadas, apenas 17% recebiam tratamento. Em relação aos 71 milhões de pessoas que viviam com hepatite C, apenas 19% sabiam estar infectadas e apenas 15% dos pacientes identificados recebiam tratamento.

Dia Mundial

A estratégia global de hepatite da OMS, endossada por todos os Estados- membros da agência, pretende reduzir em 90% as novas infecções por hepatite e cortar em 65% o número de mortes entre 2016 e 2030. No Dia Mundial de Combate à Hepatite, a OMS pede a todos os países que invistam na eliminação da doença. Neste momento, 124 de 194 países têm planos de acção contra a hepatite, mas mais de 40% não tem orçamentos dedicados a esses esforços.

error: Content is protected !!