Angola pode exportar mel e madeira para os EUA

A Lei de Crescimento e Oportunidades para a África (AGOA), instrumento de política comercial, vai permitir com que Angola exporte nos próximos anos para o mercado americano produtos nacionais, nomeadamente, o mel e madeira, adiantou o director do gabinete de intercâmbio do Ministério do Comércio, Rui Livramento

Segundo o responsável que falou ontem, à imprensa à margem da participação de Angola no 18º Fórum AGOA, a ter lugar no próximo mês na cidade de Abidjan, (Costa de Marfim), o nosso país exporta actualmente para os EUA cerca de 98% de petróleo e seus derivados, sendo o segundo maior parceiro comercial dos EUA na Africa Subsariana.Referiu que o surgimento da Lei do AGOA vai permitir a abertura de novas perspectivas para outros produtos, sobretudo os de origem agrícola. Segundo o responsável, neste momento Angola importa dos EUA milho, nozes, castanhas, bebidas alcoólicas e não alcoólicas, legumes, aves, daí que, com a Lei AGOA, o país pode crescer na diversificação dos produtos para a exportação.

Sublinhou ainda que foi concebido um projecto-piloto de exportação de Angola no âmbito do AGOA, tendo sido identificados produtos nacionais, contemplados nos programas dirigidos do governo, nomeadamente a madeira, produtos do mar e o café. Em 2015, Angola exportou produtos no valor de quatro mil milhões, 230 milhões, 179 mil e 362 dólares, contra os dois mil milhões, 216 milhões, 932 mil e 252 dólares. Até Outubro de 2017, Angola exportou produtos petrolíferos no valor de 294 milhões, USD 280 mil e 317. Sobre o AGOA A Lei de Crescimento e Oportunidades para África (AGOA), estabelecida a 18 de Maio de 2000, constitui um dos principais instrumentos da política dos EUA de aproximação à África sub-sahariana na perspectiva de concessão de abertura do mercado americano aos produtos de origem africana, perpetuar os esforços de manutenção da paz e promoção do crescimento económico e social no continente, através da implementação de acções do comércio e investimento.

O AGOA visa igualmente reduzir barreiras ao comércio, proporcionar a diversificação das exportações, criar postos de trabalho, expandir oportunidades para países africanos, aumentar o fluxo comercial e de investimentos capazes de proporcionar o desenvolvimento de África. Angola foi convidada para participar no XVIII Fórum sobre a AGOA, em Abidjan-Costa do Marfim, com o tema “AGOA e o futuro”. Desenvolverão aí, traçar um Novo Paradigma de Negócios para Orientar o Comércio e o Investimento entre os Estados Unidos da América e África. Angola vai participar com a delegação do Ministério do Comércio e aproximadamente cinco associações empresariais.

error: Content is protected !!