José Patrocínio vence prémio Grande personalidade do ano 2018

Na gala realizada na Terça-feira pelo Novo Jornal, promotor do evento, foram distinguidos nas mais diversas categorias, o futebolista Gelson Dala, a Companhia de Teatro Njinga Mbande, o governador do BNA, José de Lima Massano, a ONG OMUNGA e o Presidente da República, João Lourenço

O fundador da organização não -Governamental OMUNGA, José Patrocínio, que morreu na madrugada de 1 de Junho do corrente ano, foi declarado vencedor da 2ª edição do prémio “Grande Personalidade do ano” em 2018. O activista cívico, que deixou o mundo dos vivos aos 57 anos vítima de doença, foi bastante aplaudido pelos presentes, sagrando-se vencedora igualmente a sua associação, que concorreu na categoria de sociedade com o Centro de Acolhimento Okutiuka, do Huambo, e a Associação Construindo Comunidades (ACC).

Em entrevista a OPAÍS, o coordenador da comissão de gestão da OMUNGA, João Malavindela, agradeceu a premiação e o reconhecimento feito à associação e ao seu patrono, realçando que a distinção reforça os propósitos dos seus membros para continuarem a lutar pelos mais desfavorecidos. Todavia, João Malavindela sublinhou que o mais sensato seria homenagear a OMUNGA e José Patrocínio enquanto este esteve em vida. “Continuamos com o hábito de homenagear os mortos, mas acredito que onde ele estiver estará feliz pela premiação, porque é a primeira vez que nos é feita uma distinção publicamente”, disse.

Políticos nunca escapam

Na categoria de política, entre alguns apupos, assobios e outras manifestações de contestação e de apoio, o Presidente da República João Lourenço foi pela segunda vez distinguido como político do ano. Na presença da ministra de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira, que recebeu o prémio em representação de João Lourenço, os contestatários pretendiam ter como vencedor o deputado da Assembleia Nacional Makuta Nkondo. João Lourenço, que no ano passado foi eleito também personalidade do ano, teve, além de Makuta Nkondo, a concorrência do governador da Huíla, Luís da Fonseca Nunes.

Para a economia, o troféu foi atribuído ao governador do Banco Nacional de Angola, José de Lima Massano, que deixou para trás o também economista Lago de Carvalho e a empresa Novagrolíder. Os leitores e o corpo de júri elegeram como vencedora da cultura a Companhia de Teatro Njinga Mbande, que concorreu com o cantor lírico Nelson Ebo e o colectivo de artistas Murais da Leba. Já no desporto, o escolhido foi Gelson Dala, futebolista do Rio Ave de Portugal, que bateu na concorrência Bruno Fernando, atleta dos Atlanta Hawks, primeiro angolano a entrar para a liga norte-americana da modalidade, a NBA, e a andebolista do 1º de Agosto, Albertina Kassoma.

As votações aconteceram via online através da site da entidade promotora, com o objectivo de reconhecer as personalidades que mais se destacaram no ano anterior e o seu contributo para Angola, através de uma intervenção relevante e inovadora. O corpo de júri convidado esteve composto por figuras reconhecidas em cada uma das cinco áreas de actuação, sendo Carlos Rosado de Carvalho e Laurinda Hoygaard na economia, Jacques dos Santos e Isaac Paxe na Cultura, Arlindo Macedo e Silva Candembo no desporto, Cesaltina Abreu e Maria Cristina Pinto na Sociedade, e Domingos das Neves e Dalvan Costa na Política.

Para esta segunda edição, o Novo Jornal convidou o artista plástico angolano Manuel Ventura, que criou uma peça para homenagear as personalidades que contribuem para o progresso de Angola. Manuel Ventura é vencedor do 1º prémio ENSA-ARTE2018 em gravura. O director interino do Novo Jornal, Nok Nogueira, disse que os prémios “Personalidades do Ano” são parte do compromisso que a publicação tem com o país, reconhecendo as pessoas que nos mais diversos sectores da sociedade tenham dado o seu melhor em prol dos mais frágeis e prometeu inovações para a próxima edição.

error: Content is protected !!