BCI aprova projectos no valor de Akz 170 milhões

Quatro projectos no valor de 170 milhões de Kwanzas foram aprovados nos últimos 30 dias, pelo Banco de Comércio e Indústria (BCI), no quadro do Programa de Apoio ao Crédito (PAC), o mecanismo de financiamento do Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (Prodesi) adoptado em Junho pelo Governo e oito instituições bancárias.

O BCI, no âmbito do memorando assinado com o Governo e outros bancos comerciais oferece um valor global de 4 mil milhões de Kwanzas, montante que será entregue até ao final deste ano, mediante os projectos que forem aprovados. Os quatro projectos aprovados são parte de uma lista de nove que o banco tramita para apoiar a agricultura no Uíge, Cuanza Sul e Huambo, de acordo com a informação avançada em Luanda, pelo director de Empresas e Institucionais do BCI, Luís Almeida, durante um encontro com jornalistas denominado “Café conferência”.

Falando na presença de representantes dos bancos Angolano de Investimentos (BAI) e Millennium Atlântico (BMA), Luís Almeida anunciou a iminente assinatura de um protocolo com a União Nacional dos Camponeses Angolanos (Unaca), por intermédio do qual vão ser disponibilizados apoios financeiros a mil e 378 cooperativas em todo o país, com incidência para produtores de milho, feijão, soja, mandioca e batata.

Já o Banco Millennium Atlântico (BMA), no mesmo período, registou um projecto para implantação de uma fábrica de sabão e óleo vegetal, de acordo com o director de Risco do banco, Osmar de Carvalho. O director de Pequenas e Médias Empresas do Banco BAI, Joel Silva, revelou a aprovação de seis projectos de um valor global de 17 mil milhões de Kwanzas, virados para o sector da Agricultura nas províncias de Luanda, Benguela e Cuanza Sul.

Os projectos aprovados pelo BAI vão viabilizar a produção de milho, leite e derivados num processo em que o banco, além de conceder crédito, adoptou um sistema de monitorização com a realização de visitas às fazendas. Lembrar que, há um mês, o Governo e oito bancos comerciais assinaram um memorando, por via do qual as instituições financeiras comprometeram-se a empregar, até ao final deste ano, 141 mil milhões de Kwanzas em financiamentos ligados ao PAC, no quadro do Prodesi.

Fazem parte do grupo, os bancos Angolano de Investimentos (BAI), Fomento Angola (BFA) e Internacional de Crédito (BIC), que disponibilizam, separadamente, 30 mil milhões de Kwanzas em financiamentos. O Standard Bank, 20 mil milhões, BMA, 15 mil milhões, o de Negócios Internacional (BNI) e o Banco Comercial do Huambo (BCH), 6 mil milhões de Kwanzas cada um.

O financiamento proveniente dos oito bancos comerciais vai servir para a produção de bens da cesta básica e de outros considerados importantes, totalizando um cabaz de 54 produtos, entre os quais se destaca o arroz, açúcar, feijão, fuba de milho e de mandioca, farinha de trigo, óleo de soja e de palma, carne seca, leguminosas, tubérculos, hortofrutícolas, ovos, frangos, carne bovina, caprina e suína, café, banana, sal e outros.

error: Content is protected !!