CFB interrompe serviços para a passagem do comboio turístico

A recepção do comboio turístico de luxo “rovos rail” em Angola está a provocar a interrupção continuada dos serviços locais e inter-provinciais habituais do Caminho-de-ferro de Benguela (CFB). Sobre a informação noticiada pelo Público, diário português, dentre outros órgãos, o PCA do CFB, Luís Teixeira, diz ser “falsa”, dando a sua explicação a respeito

Luís Teixeira, PCA do Caminho de- ferro de Benguela

O “Rovos Rail”, comboio luxuoso de turismo, está a percorrer África numa rota de 4.300Km, cerca de 1.500Km, dos quais em Angola, permitindo a estrangeiros conhecer também pontos de interesse na Tanzânia, RDC e Zâmbia. Os benefícios económicos para Angola ainda não foram desvendados, todavia, os “inconvenientes” parecem ser mais evidentes, tendo o diário português Público noticiado:

Angola pára linha de Benguela por 11 dias para deixar passar comboio turístico”. Reagindo às comunicações transmitidas além-mar, Luís Teixeira, PCA do Caminho-de-ferro de Benguela, declarou ontem a O PAÍS serem falaciosas, porquanto o CFB não estacou, mas sim, adiou 24 horas o serviço regular de cada dia.

“Essa informação é falsa.”, disse o PCA. Pois que, “o Caminho-deferro de Benguela não parou as suas circulações, mas sim alterou a programação”, justificou, acrescentado que “transferiu os dias de viagem para os outros dias.” Sabendo que o “Rovos Rail” está cá desde 26 de Julho, até 5 de Agosto, somando-se o adiamento de cada dia para o seguinte, infere-se que os cálculos do Público tenham falhado por, talvez, 24 horas. O responsável máximo da ferrovia que, por norma, dá muita fama e pouco lucro ao Lobito, garantiu, por seu turno, que “os comboios estão a circular.” E que, a mudança nas datas do fluxo ordinário do Lobito ao Luau e vice-versa, foi uma “medida feita (para) não provocar o atraso do comboio turístico”, atrasando-se, ao invés, a vida dos passageiros angolanos.

Porque, “este comboio tem hora de partida e hora de chegada muito precisas”, enunciou, logo, “para não haver constrangimento no cumprimento dos horários, o CFB alterou a sua programação”, avisando aos passageiros habituais antecipadamente, atestou. Luís Teixeira disse haver comunicados informativos afixados em cada estação do CFB, na linha Luau – Lobito, para dar a conhecer aos passageiros sobre a interrupção da rotina do circuito, que voltará à normalidade após Segunda- feira.

Presume-se que, independentemente dos transtornos que a modificação de horários em várias estações, de várias províncias, por também vários dias, estejam a causar ao cidadão, é importante “deixar a linha livre para o comboio turístico”. Segundo os dados constantes no site do CFB, não foi possível obter a perda em termos de produtividade que isso representa para o sector, nem os ganhos face à passagem do “Rovos Rail”.

O que se sabe é que, os Caminhos- de-ferro de Benguela, do Luau ao Lobito, fazem deslocações pré-definidas diárias, exceptuando- se ao Domingo, transportando passageiros com responsabilidades a cumprir nos destinos e mercadoria a entregar a tempo. O CFB estende-se por 1.866 quilómetros adentro do território nacional.

Fundado em 1905, tem uma única linha entre províncias, logo, circulando outro comboio, como é o caso do turístico de luxo, os serviços nacionais são suspensos

error: Content is protected !!