Angola marca presença no 18º fórum AGOA que arranca hoje

 Angola participa a partir de hoje até 06 do mês em curso no 18º Fórum do Comércio e Cooperação Económica, denominado Fórum AGOA (Lei sobre Crescimento e Oportunidade de Desenvolvimento em África) que decorre este ano na cidade de Abidjan, na Costa do Marfim.

Brenda Sambo

Com o tema “AGOA e o Futuro, Desenvolver um Novo Paradigma de Negócios para Orientar o Comércio e o Investimento entre os Estados Unidos da América e África”, começa hoje um fórum, em presença da delegação angolana, chefiada pelo Ministério do Comércio com a participação de cinco associações empresariais nacionais. Segundo o director do gabinete de intercâmbio do Ministério do Comércio, Rui Livramento, o fórum visa reforçar as capacidades e partilhar experiências entre o sector privado, sociedade civil e as mulheres empreendedoras dos países do AGOA.

“O fórum vai permitir a interacção entre os oficiais dos governos, do sector privado e também da sociedade civil”, explicou. O responsável falava numa entrevista colectiva, concedida no âmbito da participação de Angola no XVIII Fórum sobre a Lei de Crescimento e Oportunidades para África (AGOA) e esclareceu que serão abordados temas como a criação de infra-estruturas sustentáveis para alavancar o crescimento económico, e a propriedade intelectual.

Em foco estará também como suscitar o interesse do empresariado americano para apoiar o desenvolvimento dos países africanos, entre outros temas que visam a melhoria das relações de comércio e investimento entre os EUA e países africanos. O fórum visa promover o crescimento e o desenvolvimento da região, através do acesso com isenção de direitos aduaneiros, numa pauta de cerca de 6400 produtos.

Sobre AGOA

Criada em 2000, a AGOA é uma iniciativa dos EUA que visa também promover oportunidades para a entrada no mercado americano de produtos provenientes dos países da África subsahariana, mediante a realização anual do fórum, em Washington (EUA), e num país africano, institucionalizando um diálogo de alto nível entre os oficiais do governo americano e dos países beneficiários.

Os EUA pretendem com a AGOA reduzir as barreiras no comércio, proporcionar a diversificação das exportações, criar postos de trabalho, expandir oportunidades para países africanos, bem como aumentar o fluxo comercial e de investimentos, capazes de proporcionar o desenvolvimento de África.

Os países elegíveis pelo AGOA beneficiam de Assistência Técnica dos EUA no âmbito da capacitação tecnológica, comercial e industrial. Através da proclamação presidencial exarada e tornada pública a 30 de Dezembro de 2003, o presidente norte-americano determinou que a República de Angola, país membro, satisfaz os requisitos de elegibilidade previstos na Lei do Crescimento e Oportunidades em África, merecendo o tratamento de país beneficiário.

 

error: Content is protected !!