Juventude do Porto Amboim com emprego garantido a partir de Outubro

Um grupo de jovens desta circunscrição, no Cuanza-Sul, vai começar a trabalhar a partir de Outubro deste ano no Complexo Pesqueiro do Porto Amboim, altura em que arranca a primeira fase deste projecto

Por:Ireneu Mujoco, no Porto Amboim

A informação foi prestada à imprensa pelo Presidente do Conselho da Admini s t ração da Wangfestão-KP, Cardoso Pereira, empresa proprietária deste projecto piscatório, durante um encontro que manteve com um grupo de mais de 400 jovens. Durante o encontro, solicitado pela juventude local, ficou esclarecido que o projecto, cuja execução está na ordem de 80 por cento, vai priorizar maioritariamente jovens que vivem neste município. A ideia, segundo o PCA da empresa, é combater o desemprego no seio da juventude e evitar o êxodo massivo desta franja de cidadãos para outras províncias, com realce para Luanda, em busca de melhores oportunidades de vida.

Os jovens, organizados em várias associações cívicas, solicitaram o encontro com a direcção da Wangfestão-KP para serem esclarecidos sobre os rumores que davam conta de um eventual cancelamento deste projecto pelo Ministério das Pescas, sob alegação de falta de autorização. Recentemente, a ministra das Pescas, Antonieta Baptista, em declarações à Televisão Pública de Angola(TPA) dizia desconhecer este projecto, e que a sua construção estava a ser feita à margem da lei. Mas na reunião desta Sexta-feira, 9, Cardoso Pereira tranquilizou os jovens, informando que o complexo em causa está legal e está a ser construído com a autorização das autoridades competentes.

Anunciou quem, numa primeira fasem mil e 500 pessoas terão emprego directo, e 4 mil indirectos, cujo projecto, segundo o empresário, vem dar resposta ao apelo do Presidente da República, João Lourenço, quando anunciou em Janeiro deste ano a necessidade da construção de mais portos pesqueiros e a revitalização dos que já existem. Recentemente, o governador do Cuanza-Sul, o governador do Cuanza -Sul, Job Capapinha, esteve no local e encorajou os mentores a prosseguirem com este investimento, o primeiro do género na circunscrição.

Em entrevista ao PAÍS, em Maio do ano em curso, Cardoso Pereira informou que o projecto está a ser erguido com fundos próprios, num perímetro de 26 mil metros quadrados, e o empreendimento dispõe de tecnologia de ponta para o exercício da sua actividade piscatória e congrega vários serviços. Trata-se de um conjunto de baterias de câmaras de congelação, armazéns, áreas de embarque e desembarque, secagem e embalagens, distribuição, assistência técnico- material e outros.

O Porto Pesqueiro do Porto Amboim, segundo Francisco Pereira, passará a funcionar inicialmente com 20 barcos, de um conjunto de 50, que espera receber da China, e, neste momento, aguarda por licenças a serem cedidas pelo Ministério das Pescas e do Mar(MINPESCAS). Além dos serviços do próprio Porto Pesqueiro, o PCA da WangFestão – KP disse que estará também voltada para proporcionar outros serviços, no quadro da responsabilidade social da sua empresa. Com o efeito, serão construídos no município uma escola do ensino médio, centro de formação de pescas, creches para os filhos de trabalhadores, centros de lazer e criatividade. “O nosso grande objectivo é não só dar emprego, mas criar à volta do projecto uma série de outras valências que promovam o desenvolvimento económico, mas também social da vila piscatória de Porto Amboim”, disse.

error: Content is protected !!