Vírus de Ébola mantém intensidade de transmissão no Leste da RDC

A subida da doença do vírus de Ébola que afectou as províncias do Kivu-Norte e de Ituri, na República Democrática do Congo (RDC) continuou, esta semana, com uma forte intensidade de transmissão, mas nenhum novo caso confirmado foi registado, em Goma, indicou esta Sexta-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS). Por outro lado, a agência revelou que as actividades de imunização em curso atingiram a maioria dos contactos elegíveis. Novas infecções continuam a registar-se entre o pessoal que trabalha nos postos de saúde comunitários e noutras instalações sanitárias.

Nos últimos 21 dias, 14 novos casos foram detectados entre agentes sanitários de Mandima, de Beni e um em cada uma das cidades de Katwa, Mambasa, Masereka, Oicha e Vuhovi, indica a OMS. Cumulativamente, 149 trabalhadores sanitários foram infectados até ao presente, sublinha a organização num comunicado.

Segundo algumas informações, em 21 dias (de 17 de Julho a 6 de Agosto de 2019), 65 zonas sanitárias notificaram novos casos com um total de 257 casos confirmados, a maioria dos quais provenientes das zonas sanitárias de Beni e de Mandima. A maioria dos casos recentes e recenseados na zona sanitária de Mandima foram registados em Somé e em Mayuano, segundo as mesmas informações.

No total dos casos confirmados e prováveis, 56 porcento (mil 572) são mulheres e 28 porcento (791) crianças menores de 18 anos de idade, acrescentou a OMS. Desde o início da epidemia, a febre hemorrágica alargou-se progressivamente, afectando quase duas mil 687 pessoas e fazendo mil 866 mortos. Os responsáveis locais receiam que o vírus se propague mais rapidamente a uma zona densamente povoada e próxima da fronteira rwandesa, em particular na cidade de Goma, na RD Congo.

error: Content is protected !!