Empreiteira garante que Centralidade do Sequele tem 50 anos de vida útil

“As infra-estruturas projectadas para a Centralidade do Sequele têm um tempo de vida útil de 50 anos”, garante Yang lisheng, director- geral da sucursal em Angola da China Teisiju Civil Engineering group (CTCE), empresa responsável pela sua construção

O gestor empresarial chinês prestou essa garantia durante a visita que uma delegação de profissionais de comunicação social angolanos realizou, recentemente, à sede dessa empresa em Anhui, no Leste da China. Apesar de a centralidade, constituída para 10 mil apartamentos e vários estabelecimentos de ensino e creches, já a ter sido entregue às autoridades angolanas há cinco anos, a empreiteira continua a prestar assistência técnica gratuita. “Embora já tenha expirado o período de garantia estabelecido no contrato, a CTCE continua a prestar apoio ao serviço de abastecimento de água, energia eléctrica e da estação de tratamento de águas residuais”, detalhou. Essa foi a primeira obra que esta empresa realizou no nosso país.

O seu segundo contrato, também relacionado com a linha de crédito da China, foi o de reabilitação e ampliação do Hospital Geral de Luanda, em função das fissuras que teve pouco tempo depois de ter sido erguido e entregue ao Estado angolano, por outra empreiteira chinesa. Os custos que a CTCE teve para reabilitar e equipar essa unidade foram assegurados pelo Governo do seu país, com o intuito de ajudar a mitigar as insuficiências das condições hospitalares na capital do país, segundo Yang Lisheng. À semelhança do que acontece na Centralidade do Sequele, apesar de a CTCE já ter concluído os trabalhos de melhoramento das infra-estruturas da referida unidade hospitalar, tem alguns profissionais destacados a auxiliar os angolanos na manutenção dos equipamentos hospitalares.

Troço Kimakienda/Porto de Luanda será reabilitado

A construção de estradas é outra actividade que faz parte do nicho de negócios da CTCE. De acordo com o seu gestor máximo em Angola, dentro de pouco tempo darão início às obras de reabilitação do troço Kimakienda/Porto de Luanda. São no total doze projectos suportados pela linha de financiamento da China que a CTCE tem em curso no país, entre os quais figuram a reabilitação da Estrada Nacional 321 (troço Maria Teresa/ Dondo, na província do Cuanza Norte) e da Estrada Quitexe/Ambuila/ Quipedro lote1 e Quitexe/ Ambuila, na província do Uíge. O destaque recai também para a empreitada de reforço da adução de água bruta para a Estação de Tratamento de Água (ETA) Luanda Sudeste-Cassaque que poderá entrar em funcionamento em Julho de 2020.

“É uma infra-estrutura que servirá para distribuir água a cerca de 500 mil pessoas”, frisou. Além disso, estão a executar o sistema de abastecimento de água às localidades de Mbanza Congo (no Zaire), Cuemba, Cunhinga e Nharea (no Bié). No que tange a energia eléctrica, a CTCE tem as suas impressões digitais nos projectos de electrificação e ligações domiciliares nas províncias de Benguela e Huíla, em que também garantem a manutenção temporária. O projecto destinado a Benguela já está concluído e a beneficiar 21 mil habitantes. De acordo com Yang Lisheng, a sua empresa está a trabalhar afincadamente na transmissão de conhecimentos técnicos aos profissionais angolanos, por intermedio do seu centro de formação profissional que já formou cerca de 15 mil pessoas.

error: Content is protected !!