Luanda vigiada por mais de 700 câmaras da Polícia

Mais de 700 câmaras foram instaladas, até ao momento, em diversas artérias da cidade de Luanda para auxiliar as forças da ordem e segurança. A monitorá-las em tempo real há técnicos da Polícia Nacional destacados no Centro Integrado de Segurança Pública (CISP), com vista a inibir acções e as práticas criminais

Ainformação foi avançada ontem, durante a visita que o ministro do Interior, Eugénio Cesar Laborinho, efectuou ao CISP com o intuito de se inteirar sobre a evolução do projecto, avaliar as dificuldades e baixar orientações concretas para a finalização da primeira fase.

Para além da capital do país, foram instaladas, nesta primeira fase, dezenas de câmaras em Benguela, que vão facilitar a identificação dos autores de actos considerados como transgressões, contravenções ou crimes.

O Ministério do Interior, promotor da iniciativa, prevê que o centro funcionará como uma plataforma integrada com recursos tecnologicamente avançados  e que poderá auxiliar a actividade dos órgãos de defesa e segurança na identificação e resolução rápida de problemas de manutenção da ordem e tranquilidade públicas, factos criminais, acidentes e incidentes que impactem de forma directa na segurança interna e externa do país.

Eugénio Laborinho considerou que, com a sua entrada em vigor, se vai registar uma viragem no funcionamento do sistema de segurança pública. Haverá uma actuação de forma interinstitucional e integrada entre os órgãos de defesa e segurança, assim como os órgãos de emergências médicas.

Explicou que tal será possível assegurando uma cooperação mais estreita entre todas as entidades que concorrem para a garantia da segurança pública, permitindo que se tomem decisões conjuntas e coordenadas de forma mais célere e eficaz para a resolução de problemas de segurança e de emergência. De acordo com uma nota de imprensa a que OPAÍS teve acesso, um dos acessos a esta plataforma será feito pela efectivação de uma chamada, utilizando o número 111, que é de fácil assimilação e utilização, inclusive para as camadas mais vulneráveis, tais como crianças, idosos, pessoas com características especiais, iletrados ou com menos formação.

Os promotores da iniciativa acreditam que os integrantes essa camada da sociedade angolana poderá ser facilmente instruída nesse sentido, pois, esses três dígitos têm como suporte, apenas o número 1. Deste modo, será possível que o tratamento das solicitações de emergência dos cidadãos sejam rapidamente atendidas e despachadas para os órgãos que integram o MININT, Ministério da Saúde e forças de defesa e segurança.

Satisfeito com o que constatou, o governante orientou as equipas responsáveis pela condução do referido projecto a continuarem com o processo de formação, instalação dos últimos equipamentos, interligação de bases de dados, testagem dos dispositivos tecnológicos, para que tudo esteja em condições para o funcionamento pleno após a sua inauguração.

A sede do CISP possui as plataformas de tecnologias de informação e comunicação mais modernas do mercado tecnológico

error: Content is protected !!