Novo Presidente da SADC destaca estabilidade na região

O novo presidente da SADC, John Pombe Joseph Magufuli, destacou neste Sábado, em Dar es Salaam, que a paz, segurança e estabilidade, feitos alcançados pelos países membros da organização, são frutos dos esforços e empenho dos seus líderes.

CJohn Magufuli, também Presidente da República Unida da Tanzânia, desde 2015, falava na cerimónia de abertura da 39ª Cimeira Ordinária de Chefes de Estado e de Governo da SADC, em que Angola se faz representar pelo Presidente da República, João Lourenço. O novo líder da SADC, que recebeu ontem do seu homólogo da Namíbia, Hage Geingob, a presidência rotativa de um ano do bloco regional, fundamentou que a paz e a segurança são as bases para a implementação de programas políticos, económicos e sociais tendo em vista o desenvolvimento dos povos da região.

Falou, de forma generalizada, dos desafios, objectivos e perspectivas para a região, embora tenha reconhecido a existência de alguns conflitos ainda latentes em alguns países, tendo, por esse facto, apelado à união e esforços dos intervenientes na busca de soluções pacíficas, visando a manutenção da paz e estabilidade. “Temos também a situação do terrorismo, o crime organizado, seca e fome que afligem ainda a nossa região.

Por isso temos que continuar a trabalhar juntos, para fazer face a estes desafios”, afirmou o Chefe de Estado tanzaniano. Por sua vez, o presidente cessante da SADC, o Chefe de Estado namibiano, Hage Geingob, que também discursou na cerimónia, manifestou a sua satisfação pelo contínuo processo da consolidação dos princípios democráticos, factor que propicia uma governação efectiva, tendo citado o caso do Malawi, RDC, Madagascar e Zimbábue, países que recentemente realizaram eleições livres.

Hage Geingob destacou também os progressos alcançados pela organização, com particular realce à integração regional, a industrialização e o desenvolvimento sustentável, com vista ao combate à fome, pobreza e à miséria. Na mesma cerimónia, a secretária executiva da SADC, Stergomena Lawrence Tax, defendeu a necessidade   de os Estados membros diversificarem as fontes energéticas.

“A energia é fundamental para a industrialização da região”, afirmou. “Devemos aumentar a produtividade, dar mais espaços e propriedade política ao sector privado, particularmente às pequenas e médias empresas, prestar atenção à igualdade do género e reforçar as capacidades da juventude”, sublinhou. Durante a sessão, discursaram também os presidentes da União das Comores, Azali Assoumani, na qualidade de novo membro da SADC, de Madagascar, Andry Nirima Rajoelina e da República Democrática do Congo, Félix Tshisekedi, dois países que realizaram eleições recentemente. Esses líderes participam pela primeira vez na Cimeira.

error: Content is protected !!