Materiais roubados do PAT em Tchikala Tcholoanga recuperados aos poucos

Um dia depois de terem furtado os meios de apoio do Projecto Aprendizagem para Todos (PAT), dois dos três supostos assaltantes encontram-se detidos no comando municipal do referido município, na província do Huambo, segundo revelou Abel da Silva, coordenador provincial do PAT da “Cidade Vida”, tendo informado que quase todo o material já foi encontrado pela polícia

Abel da Silva, o único responsável do Projecto Aprendizagem para Todos que, desde Sextafeira passada e Sábado, 17, dia desta reportagem, teve contacto directo com o comandanteadjunto, o inspector Boaventura Tomé Júlio, adiantou que o oficial da corporação lhe garantiu que o monitor em falta estava localizado e identificado numa loja de um dos municípios vizinhos, ao ponto de ter prometido que, a partir de hoje começaria a operação de busca.

“Ele acalmou-nos e assegurou, logo logo, que o aparelho estará de volta ao Centro de Recurso da Zona de Influência Pedagógica da sede municipal, instalado na biblioteca municipal de Tchicala Tcholoanga, alegadamente por questões de segurança, pois, em condições normais, esse espaço de consulta dos professores formandos devia estar na escola.

Além do monitor do computador, os meliantes haviam tirado da biblioteca municipal dois dispositivos de carregamento de sistema eléctrico de painéis solares, duas máquinas de encadernação, igual número de máquinas Braille e manuais, além de alguns livros, que, de acordo com outras testemunhas, retratam histórias de amor. No princípio da tarde da Sexta- feira passada, OPAÍS constatou, à entrada da porta de acesso principal para a biblioteca, sangue coagulado no chão, sendo que a marcas de gotículas do referido líquido vital se prolongaram para dentro, o que indica que os assaltantes se feriram, depois de quebrarem os vidros da porta.

Depois de retirados do Centro de Recurso da sede do município, o material do PAT foi levado para o quintal de uma senhora, que não se apercebeu de nada, tendo sido envolto com capim e outros utensílios encontrados na área, soube este jornal do coordenador municipal das ZIP, João Baptista Kufuma, que salientou o facto de os meliantes ainda terem roubado      alguns meios da Administração Municipal. “Não é a primeira vez que esses jovens furtam algo aqui no município”, reforçou João Kufuma, apoiado por uma colega que não se identificou.

Polícia fecha comunicação formal

Na tentativa de buscar um esclarecimento institucional do órgão que garante a ordem e a paz no município, a equipa de reportagem deste jornal, que integrava uma comitiva de imprensa em que a Angop e assessores de comunicação do Ministério da Educação, esteve, ontem, no comando municipal de Tchikala Tcholohanga, previa contactar as entidades competentes. Entretanto, ao ver a presença da classe de informação, o inspector Boaventura Tomé Júlio, que, por sinal, interinava o comando da unidade, recusou-se a prestar a entrevista, tendo-se limitado a chamar o coordenador provincial das ZIP do Huambo, Abel da Silva, com quem conversou, no interior da sua instituição, por expressivos 18 minutos. Ao sair da concertação que decorreu à porta fechada, o coordenador Abel da Silva transmitiu que o comandante não se dispunha a falar, alegadamente por não ter recebido ordens superiores.

Centros de recursos fora das ZIP

Embora as suas políticas de actuação não se oponham à solução encontrada pelos coordenadores locais das Zonas de Influência Pedagógica, o Projecto Aprendizagem para Todos concebeu a existência dos centros de recursos, uma espécie de salas de consultas e apoio aos professores formandos do PAT, nas escolas anfitriãs da formação que já vai na 3ª fase da Terceira Etapa.

Mas, à semelhança do Centro de Recurso da ZIP do município do Longonjo, o de Tchikala Tcholoanga foi instalado a mais de mil metros da escola-anfitriã, devido a questões de segurança, tal como justificaram os coordenadores dos referidos ciclos municipais.

Por parte da municipalidade de Tchikala Tcholoanga, o coordenador das ZIP informou que, muito recentemente, a Polícia local ainda fazia ronda e desencorajava qualquer tentativa dos oportunistas. “Enquanto a liderança do centro ensaiava outro modelo de segurança presencial, aconteceu o inesperado”, rematou João Baptista Kufuma.

error: Content is protected !!