Oficial superior das FAA apanhado com seis camiões de alcatrão na Matala

O facto deu-se há sensivelmente dois meses, quando um tenente-coronel colocado na unidade militar da Grafanil, em Luanda, tentava transportar a mercadoria para a capital do país

Por:João Katombela, na Huíla

O Serviço de Investigação Criminal no município da Matala deteve, no passado dia 17 do mês de Junho, na localidade das Cabanas, município da Jamba, província da Huíla, seis camiões carregados de alcatrão.

Os seis camiões terão sido fretados por um oficial superior das Forças Armadas Angolanas (FAA), tendo sido o produto retirado supostamente de uma unidade militar destacada na comuna do Dongo, município da Jamba. Ao todo, o tenente Coronel das FAA, Armindo da Conceição, pretendia levar para a capital do país, Luanda, cerca de 828 tambores de alcatrão.

Depois de ter sido surpreendido pelos oficiais do Serviço de Investigação Criminal durante o percurso da viagem, da comuna do Dongo para a Matala com destino a Luanda, o oficial superior foi detido de imediato, tendo sido conduzido para uma cela no Comado Municipal da Polícia na Matala, depois de ter sido apresentado ao Ministério Público. Uma fonte da Procuradoria Geral da República na Matala confirmou a OPAÍS tais informações.

Segundo a mesma, o oficial superior das Forças Armadas Angolanas será julgado pelo Tribunal Comum, mesmo sendo militar, em função do crime cometido Entretanto, o Serviço de Investigação Criminal na Província da Huíla nega pronunciar-se sobre o desenvolvimento do assunto, porém, este jornal sabe de fonte segura, que o tenente-coronel João Katombela, na Huíla já foi transferido para a cadeia da comarca da Huíla, onde aguarda a tramitação do processo.

Proprietários dos camiões reclamam pelos seus meios apreendidos há mais de um mês

Os proprietários dos seis camiões fretados para a transportação do alcatrão, afirmam terem sido enganados pelo oficial superior das Forças Armadas, que no momento da contratação verbal, apresentava-se à paisana e deu-lhes a informação de que a carga a ser transportada era betume.

Segundo os camionistas entrevistados por este jornal, o valor a ser pago pela transportação era de 500 mil Kwanzas para cada viatura alugada, no entanto, mostraram-se surpreendidos ao depararem-se na Sexta divisão militar com a carga composta de alcatrão. “Nós estávamos no Gira-Sol, apareceu um senhor que na altura não se identificava como militar a dizer que precisava de camiões para transportar uma carga, nós perguntamos qual era a carga, ele disse que era betume, só que, quando chegamos ao local era asfalto, mas ele tranquilizou-nos dizendo que tinha documentos da carga” explicou José Francisco.

Por outro lado, José Francisco, diz não entender por que razão o seu camião continua retido na Matala, uma vez que a mercadoria foi carregada numa unidade militar sem a sua conivência. Um outro proprietário, identificado por Mário, disse haver protecção da parte do Serviço de Investigação Criminal a favor do oficial, pelo facto de saber que o mesmo já se encontra em liberdade.

Mário revelou que já contactou o Serviço de Investigação Criminal na Matala para os devidos esclarecimentos, mas estes informaram que os mesmos já tinham sido encaminhadoss ao Ministério Público. “Nós estacionamos os camiões numa unidade militar, que é na Sexta Divisão, quem nos recebeu foi um brigadeiro, este mandou-nos às bombas de combustível, lá, quem nos recebeu foi um capitão, tudo foi feito durante o dia, não sei por que razão ainda não nos entregaram os nossos carros, uma vez que é deles que nós dependemos” disse.

Até ao momento do fecho desta edição, a nossa redação tentou contactar o Serviço de Investigação Criminal na Província da Huíla para saber da situação carcerária do oficial superior das FAA, porém, o SIC recusa- se a falar do assunto

 

error: Content is protected !!