vender a Gronelândia? “Ideia absurda”, diz a primeira-ministra da dinamarca

A primeiraministra da dinamarca reiterou que a Gronelândia não está à venda, considerando a ideia de donald Trump sobre a compra do território “uma ideia absurda”

Mette Frederiksen visitou ontem Segundafeira a região semi-autónoma onde vai encontrar-se com o responsável pelo governo local, Kim Kielsen, tendo-se referido ao estatuto da maior ilha do mundo colonizada há mais de 300 anos pelos dinamarqueses.

“A Gronelândia não está à venda. A Gronelândia não é dinamarquesa, é da Gronelândia. Espero sinceramente que não tenham sido declarações sérias”, disse Frederiksen à estação pública da Dinamarca (DR) quando questionada sobre os planos norte-americanos sobre a compra da ilha. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, confirmou no Domingo as notícias que foram publicadas na semana passada sobre os planos dos Estados Unidos para comprar a Gronelândia admitindo que a “ideia surgiu como conceito” apontado como “estrategicamente interessante”.

Mesmo assim, Trump disse que se trata de um assunto que não está em primeiro plano. “É uma discussão absurda e Kim Kielsen já foi claro ao afirmar que (a Gronelândia) não está à venda. A partir daqui termina- se a discussão. Por outro lado, há muitas outras coisas sobre as quais queremos falar com o presidente dos Estados Unidos”, acrescentou Frederiksen esta Segunda-feira.

A primeira-ministra dinamarquesa falou sobretudo acerca das relações entre os dois países que envolvem os interesses estratégicos no Ártico. Donald Trump visita a Dinamarca nos próximos dias 2 e 3 de Setembro, de acordo com a Casa Real da Dinamarca e a agenda do gabinete da primeira-ministra, mas no Domingo o presidente dos Estados Unidos lançou dúvidas quanto à visita ao afirmar que não “é definitivo” que vai realizar a deslocação a Copenhaga. “Estamos a partir do princípio de que vai realizar-se uma visita do presidente norte-americano e estamos a tratar dos preparativos. Espero a visita com alegria. Os Estados Unidos são o nosso principal aliado em questões de segurança”, afirmou Frederiksen sobre as declarações de Trump. Na Quinta-feira passada, a imprensa dos Estados Unidos indi Branca tinham sido chamados para apurarem a possibilidade de compra da Gronelândia à Dinamarca, um assunto que já sido tinha mencionado pelo chefe de Estado norte-americano em reuniões e encontros privados.

“Não faço previsões mas digo que o Presidente (Trump), que sabe um par de coisas sobre aquisição de bens, quer dar uma olhadela sobre a compra da Gronelândia”, disse no domingo o assessor económico da Casa Branca, Larry Kudlow, à estação de televisão Fox News. Os planos de Trump sobre a Gronelândia provocaram uma série de reacções por parte da classe política dinamarquesa que ironizou a situação encarando as notícias como brincadeira e acusando Trump de colonialismo e de ter problemas mentais. Até ontem, o governo da Dinamarca ainda não se tinha pronunciado oficialmente sobre o assunto.

O governo regional da Gronelândia já tinha dito que o “país não está à venda” referindose “aos rumores” sobre a alegada intenção de compra da ilha com dois milhões de quilómetros quadrados (80% do território está coberto por gelo) e que é habitada por 56 mil pessoas, na maior parte de etnia inuíte.

A Gronelândia tem desde o referendo de 1979 estatuto de autonomia, com competências próprias excepto nas áreas de defesa, política externa e emissão de moeda, entre outras áreas, incluindo a impossibilidade de pedir o direito à auto-determinação.

Durante a ocupação da Dinamarca pela Alemanha nazi na Segunda Guerra Mundial (1939- 1945) os Estados Unidos tomaram posições na Gronelândia e após o final do conflito instalaram uma base área militar estrategicamente importante durante a Guerra Fria e que continua activa. No passado, os Estados Unidos tentaram várias vezes comprar a maior ilha do mundo, a última vez foi em 1946 através de uma iniciativa do presidente Truman.

error: Content is protected !!