Surto de dengue nas filipinas já fez mais de 800 mortos desde Janeiro

Entre 1 de Janeiro e 3 de Agosto registaram-se 188.562 casos de dengue, com uma taxa de mortalidade de 0,3%, a mais elevada do Sudeste asiático. 23% dos casos são crianças entre os 5 e os 9 anos

A epidemia de dengue nas Filipinas contabiliza já 807 mortos desde o início do ano e cerca de 188.500 contágios, ou seja, mais do dobro do registado no mesmo período de 2018, segundo os últimos dados oficiais. Entre 1 de Janeiro e 3 de Agosto registaram-se 188.562 casos, com uma taxa de mortalidade de 0,3%, a mais elevada do Sudeste asiático, de acordo com o último relatório de monitorização de surtos, publicado pelo Departamento de Saúde do Governo filipino.

A faixa etária mais afectada pela doença, transmitida pela picada do mosquito ‘Aedes Aegypti’ situa- se entre os 5 e os 9 anos, com 43.047 casos, ou seja, 23% do total. As regiões mais afectadas pelo surto são Calabarzón, Mimaropa, Bicol, Visayas ocidental, Visayas oriental, Mindanao ocidental, Mindanao central e Ban- “Muitas das discussões nestas reuniões com a UE têm a ver com a União depois da saída do Reino Unido. Libertar os representantes dessas reuniões permite que eles concentrem melhor os seus talentos nas prioridades nacionais imediatas”, afirmou Steve Barclay. O Governo do primeiroministro Boris Johnson acredita que o tempo vai ser mais bem gasto na preparação do Brexit, agendado para 31 de Outubro, apesar do chefe do Executivo continuar a assistir ao Conselho Europeu. Londres assegurou que esta decisão não tem “intenção de interferir com o funcionamento da UE”, dizendo que o “voto britânico seria delegado de modo a não bloquear os assuntos actuais dos outros 27 membros”.

“A partir de agora, vamos a reuniões que realmente importam, reduzindo a nossa presença em mais de metade e ganhando centenas de horas”, acrescentou. Boris Johnson, que sucedeu a Theresa May na chefia do Executivo a 26 de Julho, disse que estava pronto para deixar a União Europeia a 31 de Outubro, com ou sem acordo de saída. A UE tem afirmado repetidamente que não está disposta a renegociar o acordo Brexit que alcançou May. Na Quarta-feira, Boris Johson vai a Berlim encontrar-se com a chanceler alemã Angela Merkel e na Quinta-feira a Paris, para reunir-se com o presidente Emmanuel Macron, de forma a convencê-los a juntarem- se à sua visão do Brexit, antes da cimeira do G7, este fim de semana, em Biarritz, no sudoeste da França.

Os representantes britânicos vão deixar de participar na maior parte das reuniões da União europeia a partir de 1 de Setembro, estando presentes somente nas que “dizem respeito ao interesse nacional”, afirmou o ministro do brexit gsamoro, onde o limiar de epidemia já foi ultrapassado. Embora a gravidade da situação não seja igual em todo o país, o Governo filipino declarou o estado de epidemia nacional no início de Agosto devido à rápida disseminação da doença, de modo a que todas as agências governamentais estejam alerta.

A epidemia de dengue fez regressar o debate sobre o uso da Dengvaxia, a vacina contra a doença que foi aplicada a mais de um milhão de filipinos numa intensa campanha de imunização realizada entre 2016 e 2017, especialmente nas escolas. No entanto, em Novembro de 2017, o governo filipino suspendeu o uso dessa vacina depois do fabricante, a empresa farmacêutica francesa Sanofi, ter admitido que tinha efeitos adversos. O caso tornou-se um escândalo de saúde após a morte de várias crianças imunizadas, embora não tenha sido possível provar a relação direta da Dengvaxia com essas mortes. Face à gravidade do actual surto, vários médicos e investigadores têm defendido que se volte a apostar na vacina e o próprio presidente, Rodrigo Duterte, mostrou- se disponível para reconsiderar o uso da Dengvaxia a fim de conter a epidemia.

error: Content is protected !!