África pode ser declarada livre de poliomielite em 2020

Toda a região africana sob protecção da Organização Mundial da Saúde (OMS), alcançou ontem um importante marco de três anos sem qualquer caso detectado de poliovírus selvagem

Caso o processo de avaliação comprovar que o poliovírus selvagem foi erradicado, a África juntar-se-á às quatro regiões da OMS, as Américas, o Pacífico Ocidental, a Europa e o Sudeste Asiático, que já foram distinguidas. Ficará a faltar apenas a Região do Mediterrâneo Oriental, que ainda está a trabalhar no sentido de travar o vírus.

Os três anos sem o vírus da poliomielite são fruto de um processo profundo de avaliação pela Comissão Regional Africana de Certificação para determinar se toda a Região Africana da OMS, que inclui 47 países, que em 2020 pode declarar erradicado definitivamente. Segundo a directora Regional da OMS para a África, Matshidiso Moeti, citada por um comunicado da organização a que OPAÍS teve acesso, a jornada para a erradicação da poliomielite em África exigiu um esforço gigantesco de coordenação multinacional sem precedentes, disponibilizando vacinação a centenas de milhões de crianças e levando a cabo campanhas de vacinação em algumas das localidades mais remotas do mundo. A médica frisou que o processo envolveu a colaboração voluntária de milhares de homens e mulheres, que em certas ocasiões colocaram as suas vidas em risco.

O processo foi possível mediante uma vigilância exaustiva para detectar atempadamente surtos, incluindo em populações nómadas. Entretanto, Matshidiso Moeti alertou para que os elogios sejam acompanhados por prudência em relação aos desafios persistentes inerentes à cobertura vacinal, necessária para proteger as comunidades de espécies raras de poliovírus não selvagem que podem surgir quando uma população não está totalmente vacinada.

error: Content is protected !!