Mais de mil refugiados repatriados para RDC

O número de refugiados que já se encontram na província do Kassai Central (República Democrática do Congo), no âmbito do repatriamento voluntário e espontâneo, iniciado segunda-feira, 19, com apoio do governo angolano, subiu para mil e 466.

Três camiões continuam a garantir o transporte dos 18 mil e 800, dos 23 mil e 684 refugiados que decidiram, unilateralmente, voltar ao seu país de origem, desde a madrugada do último domingo. O primeiro grupo, composto por mil e 66 refugiados, foi repatriado na segunda-feira.

O grupo já repatriado, inclui 645 crianças, 306 mulheres e 645 homens, que durante o percurso de aproximadamente três horas, até a fronteira do Tchicolondo, contam com asseguramento dos efectivos da Polícia Nacional, alimentação e água, disponibilizados pelo governo angolano.

Segundo o director do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do governo da Lunda Norte, António Mussumari dentro de dias chegam mais viaturas para acelerar o processo e permitir que, num curto espaço de tempo, os 18 mil e 800 refugiados sejam repatriados.

No total, estavam assentados no Centro de Acolhimento do Lóvua 23 mil e 684 refugiados, desde Maio de 2017, entre os quais 11 mil e 648 crianças e 600 mulheres grávidas.

A migração dos mais de 35 mil cidadãos congoleses, em desespero, para Angola, derivou da violência extrema e generalizada causada por tensões políticas e étnicas na RDC em Maio de 2017.

error: Content is protected !!