Feira do Livro e do Disco de Luanda com mais de 500 títulos

Os Stands cada vez mais apetrechados continuam a ser um verdadeiro chamariz para os amantes da leitura, da música, da dança, e demais atracções associadas ao programa do certame

A pouco menos de 24 horas do fim da XIII Edição da Feira do Livro e do Disco, expositores e visitantes dialogam, procuram interagir ao máximo sobre as obras apresentadas na Baía de Luanda.

Ao contrário das anteriores edições, a presente continua a registar grande número de visitantes, pela localização e dimensão, sobretudo no período nocturno, uma vez que as primeiras horas são reservadas ao trabalho nas diferentes instituições públicas e privadas. Não obstante alguns dos estudantes se terem ausentado de Luanda, em pausa pedagógica, na feira também é notória a presença dos mais pequenos, fascinados pelas histórias do génio imaginário da criança em quadradinhos, pequenos e grandes heróis, jogos psicomotores, quebra-cabeças, alguns deles ligados ao universo do cinema infantil. O objectivo principal é fazer com que estas cheguem às mãos de todos ao melhor preço e na mais perfeita harmonia. É visível em todo perímetro da feira pessoas ávidas de leitura.

Os Stands cada vez mais apetrechados continuam a ser verdadeiro chamariz para os amantes da leitura, da música, da dança, e demais atracções associadas ao programa do certame. São mais de 500 títulos expostos, desde a abertura do certame: literatura universal, científica, pedagógica, religiosa e manuais diversos, cada um ao seu preço. A secção de discos, por sua vez, reúne uma diversidade de sonoridades: do semba ao nosso folclore, Os Stands, cada vez mais apetrechados, continuam a ser verdadeiro chamariz para os amantes da leitura, da música, da dança, e demais atracções associadas ao programa do certame passando pela kizomba, pop, kuduro, hip-hop, sungura, entre outros estilos, representados por Kituxi e Seus Acompanhantes, Voto Gonçalves, Carlos Lamartine, Urbanito Filho, Eduardo Paím, Paulo Flores, Banda Movimento, Zulmira, Sebem e tantos outros. Curiosamente o lema proposto para a edição este ano “Luanda é Leitura”, parece ter sido muito bem pensado, uma vez que pela demanda, tem conseguido encaixar a festa na mais perfeita harmonia.

Ontem, Sexta-feira, 23, a abertura do certame circunscreveu-se ao Palco Livre, com música e recitais e, posteriormente, ao ciclo de palestras, com escritor Bendinho Freitas, que se debruçou sobre o tema “Processo de Criação Poética”, com a moderação do também escritor Pombal Maria. O ponto alto da feira nesta Sextafeira foi do concerto do Duo Canhoto, que no seu jeito peculiar brindou os presentes com um reportório que marcou e continua a marcar a longa carreira artística. Trata-se de uma dupla que tem contribuído bastante para a divulgação do cancioneiro popular. Inspirados pela música tradicional, o Duo Canhoto canta em umbundu, kimbundu e português, destacando o tchissossi do Centro e Sul de Angola, o kilapanga e o semba. O dia de hoje será reservado ao ciclo de palestras com o filósofo e poeta Avô do Preto, e tema “O Processo Criativo no Livro – A Rosa 29, com moderação do professor e locutor da Rádio Ecclésia Guilherme da Paixão.

O certame que decorre sob o signo “Luanda É Leitura, é uma oportunidade ímpar, de convívio e de intercâmbio cultural, abrindo inúmeras oportunidades comerciais, entre editores, produtores, livreiros e alfarrabistas nacionais, que pretendam dar a conhecer a sua literatura e música nos diferentes géneros e estilos.

error: Content is protected !!