Boris Johnson suspende Parlamento e oposição reage com indignação

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou que o Parlamento vai ser suspenso durante a segunda semana de Setembro e até 14 de Outubro, duas semanas antes da data prevista para o Brexit, a 31 de Outubro.

A “rentrée” parlamentar está prevista para Terça-feira, 3 de Setembro. De acordo com a medida anunciada pelo primeiro-ministro, as sessão legislativa é suspensa de 10 de Setembro até 14 de Outubro, dia em que retomam os trabalhos com o tradicional discurso da Rainha Isabel II e anúncio do programa do Governo britânico.

“Os deputados terão muito tempo para debater o programa do governo e a sua abordagem ao Brexit antes do Conselho Europeu [a 17 e 18 de Outubro] e podem, uma vez conhecido o resultado, depois votar a 21 e 22 de Outubro”, disse Johnson à televisão Sky ao confirmar que pediu permissão à Rainha Isabel II para suspender o Parlamento por cinco semanas. “Se eu conseguir concluir um acordo com a União Europeia, o Parlamento poderá então aprovar a lei para a ratificação do acordo antes de 31 de Outubro”, sustentou. Antes de ser confirmada, a medida já tinha sido avançada por alguns media britânicos, provocando uma queda da libra esterlina e críticas da oposição como uma forma de impedir os deputados de travar uma saída do Reino Unido da União Europeia (UE) sem acordo. “Parece que Boris Johnson poderá estar prestes a fechar o parlamento para forçar um Brexit sem acordo.

A menos que os deputados se unam para o parar, o dia de hoje entrará para a história como um dia negro para a democracia britânica”, escreveu a chefe do governo escocês, Nicola Sturgeon, na rede social Twitter. O “número dois” do principal partido da oposição, o Trabalhista, Tom Watson considerou na mesma rede social: “Esta acção é uma afronta particularmente escandalosa à nossa democracia.

Não podemos deixar que tal aconteça”. “Fechar o parlamento seria um acto de cobardia de Boris Johnson”, reagiu, por seu turno, a líder dos Liberais Democratas, Jo Swinson, considerando que o primeiro ministro britânico está a escolher um “rumo perigoso e inaceitável”. Para a líder do grupo dos Independentes e antiga deputada conservadora, Anna Soubry, a democracia está a ser “ameaçada por um primeiro-ministro impiedoso”. DR DR

error: Content is protected !!