Modernização do INAMET avaliado em cerca de 60 milhões de dólares

Numa primeira fase o projecto prevê a instalação de 72 estações metrológicas, três de rádio sonda, para medição de elementos climáticos a nível vertical, correspondendo assim 40% de cobertura do país, revelou ontem o director geral do Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (IN AMET), Domingos Nascimento, a margem do SARCOF 23

O plano de modernização do INAMET visa essencialmente melhorar a informação e ponto de recolha de dados metrológico para elaboração de previsões mais atempada a população, e consequentemente facilitar o Governo a tomada de medidas para mitigar o efeito de eventos extremo.

Domingos Nascimento afirmou que actualmente está previsto no plano de modernização do INAMET a instalação de 72 estações meteorológicas, três de rádio sonda para medição de elementos climáticos a nível vertical, que vai corresponder 40% de cobertura do país.

O projecto está avaliado em cerca de 60 milhões de dólares e o INAMET está a trabalhar com a Meteo France Internacional, sendo que as visitas de exploração a nível do país começaram a ser feitas Segundo o director do INAMET, o investimento vai registar melhoria, no acto de reportar informação para base de dado quer seja nacional ou internacional.

Considerando que os especialistas terão mais argumento para elaborar as previsões do tempo mais assertivas. A previsão concreta das chuvas para determinados pontos do país será avançada até ao dia 15 de Novembro, onde poderão ser identificadas as zonas mais críticas.

Quanto as queimadas frisou que não é da responsabilidade do INAMET, apesar que poderão ocorrer metrologicamente queimadas ou incêndios, frutos de eventos naturais, quando existir condições como ventos fortes, temperaturas acima dos 35 graus e baixo teor de humidade. “Mas no nosso país estamos muito longe desta realidade, os focos ou incêndios que registamos são naturalmente na altura em que os caçadores aproveitam para fazer as suas queimadas, no sentimem identido de identificar as zonas onde podem encontrar as suas presas, assim como os pequenos agricultores também utilizam esta filosofia para poder preparar o terreno”, assegurou, Domingos Nascimento.

O Fórum Regional do Clima da África Austral – SARCOF 23 teve início, ontem, termina dia 30 do corrente mês sob o tema “compreender o sistema terrestre para construir resiliência contra os eventos climáticos extremos recorrentes na região da SADC”.

error: Content is protected !!