Toyota abre academia para formar angolanos

A firma Toyota vai abrir em Angola, no mês de Outubro deste ano uma academia para o treinamento de mecânicos angolanos, anunciou Segunda- feira, em Luanda, o embaixador do Japão, Hironori Sawada, à saída de uma audiência com o Presidente da República, João Lourenço.

Na última semana, o presidente da multinacional japonesa, Tchiro Kitaoka, afirmou que a companhia tem a intenção de investir cerca de 200 milhões de dólares norte-americanos para a construção em Angola de uma linha de montagem de viaturas Toyota.

Ontem, no final da audiência que lhe foi concedida pelo Chefe de Estado angolano, o embaixador do Japão disse à imprensa que a mesma serviu para abordar “aspectos de interesse comum”, numa altura em que os dois países trabalham no aprofundamento da cooperação. “Temos vários projectos em andamento e estamos a trabalhar para o incremento da cooperação”, sublinhou o diplomata nipónico.

O diálogo entres as duas entidades acontece um dia após o regresso do Presidente angolano ao país, depois de participar na 7ª Conferência Internacional de Tóquio Sobre o Desenvolvimento de África (TICAD7), decorrida de 28 a 30 deste mês, em Yokohama (Japão). O Chefe de Estado angolano foi convidado pelas autoridades japonesas a regressar ao Japão, no primeiro trimestre de 2020, para uma visita oficial.

Relações Económicas e Cooperação Bilateral

Na última década, o Japão tornou- se num parceiro estratégico de Angola, onde reforça a presença das suas empresas e financia projectos em sectoreschave da economia, como o das telecomunicações. O país asiático tem como principais activos na cooperação económica e bilateral com Angola a reabilitação e a expansão do Porto do Namibe, a recuperação de três fábricas têxteis e o financiamento para o lançamento do cabo de fibra óptica. Além desses áreas, o Japão tem desenvolvido, em Angola, vários projectos em áreas como desminagem, infra-estruturas, agricultura, Educação e Saúde.

No âmbito das trocas comerciais, Angola importa daquele país mercadorias como veículos automóveis, aço, ferro e equipamentos, vendendo em troca, maioritariamente petróleo e outras matérias-prima. Um dos principais investimentos do gigante asiático foi a reabilitação do Porto do Namibe, que começou em 2007, com uma doação de USD 40 milhões.

A par desses investimentos, o Japão voltou a mostrar o seu interesse no Porto do Namibe, ao anunciar, recentemente, que vai investir USD 600 milhões no projecto integrado de construção das infra-estruturas portuárias da Baía do Namibe. No domínio da indústria têxtil, o Japão, com financiamento do JBIC, reabilitou, através da Marubeni, as três principais unidades têxteis do país: SATEC (Cuanza-Norte), Alassola (Benguela) e Textang II (Luanda), no valor global de USD mil milhões.

error: Content is protected !!