China precisa o mundo, este mundo também necessita a China

A actual guerra comercial entre a China e os Estados Unidos começou a 22 de Março de 2018. O Presidente norte-americano Trump anunciou uma lista de tarifas totalizando USD 50 biliões sobre importações provenientes da China, até 1 de Setembro de 2019 aumentou mais 15% aos 125 biliões dos bens da China.

SHANG JINGE, INVESTIGADOR DE ECONOMIA

Em retaliação, o Governo chinês impôs tarifas em mais de 128 produtos norte-americanos, incluindo principalmente os produtos agrícolas, uma importante exportação dos EUA para a China.

A política proteccionista comercial do Governo Trump não apenas viola directamente as regras multilaterais de comércio e investimento existentes, mas também representa um desafio directo ao sistema multilateral de comércio e investimento da OMC.

Isso agravará a tendência de queda do crescimento económico global, desencadeará um aumento total do proteccionismo comercial e lançará uma sombra sobre as perspectivas de crescimento da economia mundial.

Sob a tendência geral da globalização económica, a divisão internacional do trabalho e cooperação nas indústrias de alta tecnologia e o desenvolvimento da cadeia industrial global permitiram à “aldeia global”, incluindo empresas e pessoas americanas, obter mais dividendos do desenvolvimento.

As restrições dos EUA às exportações de alta tecnologia para a China terão um impacto na sua capacidade de inovar, atrasando o processo de pesquisa e, finalmente, afectando a participação dos EUA no processo tecnológico global.

Ao prejudicar as empresas chinesas, os EUA também prejudicam as empresas americanas e o seu povo. Quem são vítimas de guerra comercial? No sector chinês são os exportadores e fábricas.

No sector dos EUA são os importadores e consumidores, especialmente os de média e baixa renda. No sector da China, as vitimas são empresas exportadoras, por motivo do aumento de tarifas aduaneiras, algumas empresas chinesas estão a exportar bens aos EUA com baixa de mais de 15 %. Mas, segundo dados das Alfândegas da China, em finais de 2018 o valor de exportações até aumentou.

O valor total de exportação é 30 triliões de yuanes, aumentou 9,7% em relação a 2017. Por que o valor das exportações não baixa e até mesmo sobe? Primeiro, há que conhecer uma quadra de distribuição do mercado de exportação: Mercado de Asiático: 51.5% Mercado de Europeu: 18.5% Mercado de América: 15.9% Mercado de África: 14.1%

A China é a segunda maior economia da mundo, também é a “fábrica de Mundo”. Signifi ca que a China tem um mercado muito grande, não apenas o mercado norte-americano. Mas nesta época as economias não são isoladas, todos conhecemos um modelo da economia global, as ideias do isolacionismo, unilateranismo, hegemonia foram todos recusados pelo povos do mundo. Desde que o Presidente Trump anunciou a ideia de que o NORTE- AMERICANO

É o PRIMEIRO (América em primeiro lugar), iniciou uma guerra comercial no mundo. Não é só entre China e EUA, também combate com México, Europa (Italia, França, Alemanha, etc.), Japão e Coreia do Sul. Especialmente por causa dos norte-americanos, a guerra comercial entre o Japão e a Coreia do Sul é mais forte. Por isso, a ideia proteccionista comercial saiu dos EUA para outros países asiáticos e europeus.

O vinho dá uma falsa coragem e as bebidas alcoólicas provo- cam rixas. Desde 1 de Setembro, o valor de 125 bilhões de dólares aumentou em mais 15% de imposto, ao mesmo tempo, há 160 empresas americanas que escreveram juntas uma carta ao Presidente Trump, pedindo o cancelamento do aumento dos impostos aos bens provenientes da China. Por que os empresários pedem o cancelamento dos impostos?

O motivo é o desenvolvimento de longo prazo destas empresas que está complicado, e o índice de consumo dos povos que está a aumentado.

Por exemplo, após 1 de Setembro, os produtos agrícolas, roupas, sapatos, utensílios de cozinha, computadores, televisores, produtos da Apple, etc., estes produtos são maioritariamente consumidores americanos que os adquirem. Os de média e baixa renda são os maiores consumidores dos produtos chineses.

Quando aumentam 15% de imposto, significa que o preço dos produtos estão aumentados mais 15% ou 17%. Segundo dados da América, desde o aumento do imposto de importação, cada família americana precisa de aumentar o seu orçamento em 600 dólares anuais, caso em Dezembro deste ano o Governo de Trump aumente 20% de imposto sobre as importações, as famílias americano têm que pagar mais 1600 dólares.

A sociedade está preocupada com o aumento dos preços e com a inflacção de monetária. Por exemplo, todos sabemos que a China tem várias fábricas da Apple, o preço dos produtos electrónicos da Apple aumentaram mais 15% no continente americano, por isso, a empresa Apple está preocupada e triste, porque após 1 de Setembro a Apple precisa de pagar mais 50 mil milhões de dólares americanos sobre os seus custos. Os EUA lançam a primeira guerra comercial aumentando 21% de impostos aos bens chineses, a China também aumenta 22% de imposto aos bens americanos, incluindo produtos agrícolas, veículos e petróleo.

A China é o maior comprador de soja do mundo, mais neste momento, por causa da guerra comercial, não precisa de comprar mais soja e milho norte-americanos, porque algumas empresas chinesas viraram-se para o Brasil e outros países.

A China está interessada em procurar medidas para resolver os desacordos entre os dois países, mais usa um provérbio que diz que “Quem procura a sabedoria amasse a si mesmo; quem mantém a sua razão esclarecida prosperará”. A China quer procurar medidas para resolver os problemas, mais o Governo de Trump está sem confiança.

Em finais de Julho, ele disse que não aumentaria mais 15% de impostos sobre 500 biliões, em Osaka, no Japão, falando com o nosso Presidente Xi, mais quando uns poucos dias voltou aos EUA, rompeu os acordos. Outro provérbio diz que “gato escaldado de água fria tem medo”! Nós temos confiança, não poderíamos receber um resultado com desconfiança.

Ante a guerra comercial, a China e o povo chinês não têm medo, estamos preocupados com a cooperação bilateral, mais não estamos tristes. Porque agora o mercado da China é grande, os países asiáticos , europeus e africanos são, todos, nossos mercados principais.

O senhor primeiro-ministro de Singapura, LIXianlong, diz que os EUA têm que reconhecer o desenvolvimento da China no mundo, ninguém poderia rejeitar o desenvolvimento da China. E a chanceler alemã Merkel também diz proteger a liberdade comercial e o multilateralismo, recusa o isolacionismo e o nacionalismo.

O Governo de Trump mandou as empresas americanas saírem da China e voltarem aos EUA, mais até agora o investimento estrangeiro directo na China cresce 7.8%, não há empresas estrangeiras a sair da China, eles tem confiança no desenvolvimento da China.

Devido à guerra comercial, o ritmo de desenvolvimento do mundo está a baixar, a China opõe-se a qualquer modelo de proteccionismo comercial e unilateralismo ou hegemonia. A China tem confiança, tem determinação, tem capacidade de combater qualquer tipos de desafios. A China precisa deste mundo e este mundo também necessita da China.

 

leave a reply