PR lança PIIM no município do Alto Zambeze

João Lourenço garantiu que já há disponibilidade financeira para permitir a execução dos programas que constam no referido plano

Domingos Bento, enviado ao Luena

O Presidente da República, João Lourenço, anunciou ontem, no Cazombo, sede do município do Alto Zambeze, que os primeiros projectos do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM) começam a ser implementados neste município da província do Moxico. Apesar de não ter anunciado a data do arranque, assegurou que será possível a sua implementação, que vai mudar a vida das comunidades nos municípios. Segundo o Presidente, depois de ter sido apresentado em Luanda, é momento de o PIIM, avaliado em 2 mil milhões de dólares, começar a ser executado de forma a criar mais vida nos municípios, que, regra geral, atravessam todos os mesmos problemas sociais.

“As coisas têm de começar a acontecer. Vamos falar menos e fazer mais. Os primeiros projectos do PIIM devem começar no Cazombo”, afirmou. O Presidente da República, que encabeça uma delegação do seu Governo, disse ser importante levar a vida aos municípios. “Mais do que dizer, é fazer. E esta minha deslocação, aqui ao Cazombo, é um sinal de que todos nós temos de trabalhar mais vezes nos municípios e comunas”. Desde ontem no Moxico, a sua deslocação à província tem como objectivo constatar e procurar resolver os principais problemas que afectam as populações. “

Só precisamos é de dar soluções. Arranjar recursos para dar soluções ao problema das infraestruturas, das estradas, das pontes, da energia eléctrica, da água potável, da educação e da saúde”, frisou. João Lourenço acredita que se se resolver as necessidades das populações, simultaneamente vaise poder resolver o problema do desemprego. “Para construirmos pontes, barragens, energia e estradas temos de empregar pessoas”, sublinhou.

Estradas impedem desenvolvimento

Por sua vez, o governador provincial do Moxico, Gonçalves Mwandumba, deu a conhecer ao Presidente da República que a falta de estradas constitui o principal factor que vem adiando o desenvolvimento da província. Segundo Mwandumba, a rede fundamental de estradas do Moxico é de 3 mil 477 quilómetros. Deste total, apenas 576 encontram- se asfaltados, equivalendo a 16 por centro. Informou que as poucas estradas que existem na província encontram- se intransitáveis, situação que vem adiando o desenvolvimento da região. “Com excepção do Camanongue, nenhum outro município tem estrada em condições. E se não há estradas e pontes, não há escolas, comércio, transportes e desenvolvimento”, justificou o governante. Por falta de estradas, segundo o governador, muitos produtos agrícolas não podem ser escoados e acabam deteriorando- se, situação que constitui uma perda não só para os próprios agricultores, bem como para a província. “A agricultura, o nosso maior potencial, não ultrapassa o patamar da subsistência. Muito do que se produz estraga-se por falta de escoamento”, lamentou.

Inaugurações

Depois de ter estado ontem no município do Alto Zambeze, onde desenvolveu uma intensa actividade que se circunscreveu em encontros com as autoridades tradicionais, governamentais e a população, a jornada de trabalho do Presidente da República continua hoje no município do Luena. Nesta cidade, João Lourenço vai desenvolver uma série de actividades e inaugurações de projectos sociais, sendo que o ponto mais alto da sua visita à província do Moxico será a abertura do Fórum de Investimento Privado que vai reunir o empresariado nacional, cujo foco centrar-se-á no relançamento da produção do arroz.

error: Content is protected !!