Príncipe Harry imortaliza legado da mãe no Huambo

Foto de Jacinto Figueiredo

“Foi uma honra refazer os passos da minha mãe hoje. Eu perdi-a há 22 anos, mas a memória dela está comigo diariamente e o seu legado continua vivo”. Foi assim que o Duque de Sussex se despediu do Huambo. Cinco minutos depois da sua despedida choveu, interpretado pela população local como sinal de bênção

Por:Texto de Milton Manaça
Totos de Jacinto Figueiredo

Os motores do jacto com a matrícula SDS com as cores azul e branca, que transportou Herry ao Huambo, pararam de roncar no aeroporto Albano Machado às 11:22h. Depois de descer, deu seis passos no solo da Cidade Vida, antes de ser cumprimentado pela ministra de Estado para Área Social, Carolina Cerqueira. Percorreu mais de 50 metros do tapete de honra vermelho estendido sobre o asfalto enquanto acenava com os braços e sorria correspondendo aos cumprimentos de crianças e adultos que gesticulavam com bandeiras de Angola e do Reino Unido na mão.

Menina de 3 anos emociona-o

Haniela Luele, de 3 anos de idade, fez parte do coro infantil que no aeroporto Albano Machado dedicou uma canção de boas vindas ao Príncipe Harry, cujo título oficial é Duque de Sussex. Ao ver a mais nova integrante do grupo gesticulando ao ritmo da canção, Harry ajoelhou- se diante dela. Pegou na sua mão e deu-lhe um abraço, antes de continuar o percurso que o levou a cumprir o programa oficial, acompanhado pelas autoridades angolanas.

Às 13:20h chegava a Rua 28 de Maio, localizada no bairro Calomanda, onde percorreu a pé cerca de 30 metros até chegar à árvore onde, em 1997, a sua mãe foi fotografada com vítimas de guerra. Herry subiu o passeio e circundou a árvore, que foi ornamentada, entre um vazo gigante e cadeiras ao seu redor, onde Príncipe ficou cerca de dois minutos com os olhos fixos entre a árvore e o “vazio”, como se estivesse a recordar uma experiência já vivida. “Estar nesta rua onde a minha mãe andou ainda como campo minado, mostra um tremendo impacto na eliminação das minas terrestres para o futuro das populações”, estas foram uma das primeiras frases de Harry no Huambo, para depois acrescentar que neste momento a sua mãe estará muito orgulhosa no lugar em que estiver.

Disse que estaria mais regozijado se Diana estivesse viva, estaria orgulhosa do trabalho que começou. Todavia, Herry prometeu terminar o que a Princesa de Gales Diana começou. Destacou que o trabalho de desminagem é perigoso e requer muito esforço, mas garantiu que o Palácio Real Britânico está satisfeito com o que foi feito até aqui, destacando os financiamentos dados à empresa de desminagem Halo Trust e à MAG.

Disse que 60 milhões de pessoas a nível do mundo continuam a viver sob ameaça de minas terrestres e a estes não se deve virar as costas e deixar o trabalho sem ser feito. “Por isso, não podemos perder a visão da realidade”, referiu. Sereno e em muitos momentos sorridente, antes de deixar a Rua 28 de Maio, Herry conversou durante alguns minutos com populares que acorreram ao local para o verem.

error: Content is protected !!