Mais de cinco mil empregos criados no sector de turismo num trimestre

O Executivo garante que, no quadro da implementação do Plano de Acção para a Promoção da Empregabilidade (PAPE), o sector do Turismo será alvo de particular atenção, dado que constitui um segmento no qual os jovens recém-formados terão inúmeras oportunidades de empreender e gerar postos de trabalho

No primeiro trimestre deste ano, o sector do Turismo registou, em todo o país, a criação de cinco mil postos de trabalho, deu a conhecer ontem, em Luanda, o ministro da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social (MAPTSS), Jesus Maiato. O governante, que falava no encontro de reflexão sobre mecanismos de empregabilidade e valorização dos recursos humanos no sector do Turismo, disse que, apesar das dificuldades que o país atravessa, verifica-se um crescimento gradual neste segmento nos domínios das infra-estruturas, da oferta de serviços turísticos, da formação, bem como dos níveis de empregabilidade.

De acordo com Jesus Maiato, DR para que o sector do Turismo continue a crescer de forma harmoniosa e combinada e manter-se a tendência da empregabilidade, o Executivo continuará a apostar na qualificação do capital humano com base no Plano Nacional de Desenvolvimento 2018-2022, que já está em execução. Porém, neste sentido, frisou, os centros de formação profissional do país, entre públicos e privados, oferecem um leque de cursos ligados ao sector do Turismo, tendo formado, de 2018-2019, cerca de sete mil jovens. “Há a destacar, nesse processo, a Escola de Hotelaria e Restauração criada em 2010, que já capacitou, até ao momento, 4.033 cidadãos nacionais em gestão hoteleira, restauração, turismo, cozinha, pastelaria, panificação e outros”, destacou.

De acordo com Jesus Maiato no quadro da implementação do Plano de Acção para a Promoção da Empregabilidade (PAPE), o sector do Turismo será alvo de particular atenção, pois constitui um segmento no qual os jovens recém-formados terão inúmeras oportunidades de empreender e de gerar postos de trabalho.

O ministro assegurou ainda que, para o efeito, o PAPE deverá também aumentar a qualidade e a oferta formativa, incluindo o segmento do empreendedorismo. “Todos temos acompanhado o quadro preocupante de desemprego no país, que ronda os 29 por cento, afecta sobretudo os jovens e coloca-os numa situação de desespero. Apesar da crise, os indicadores económicos dos últimos anos têm demonstrado que o sector não petrolífero tem mantido a tendência de crescimento”, apontou

Conjugação de esforços

Por seu lado, a ministra do Turismo, Ângela Bragança, deu a conhecer que o seu órgão ministerial vai continuar a trabalhar com outros departamentos do Executivo de forma a conjugar esforços para que o segmento do turismo continue a crescer e a gerar empregos e assim fortalecer a economia. Segundo a ministra, para que as acções e as metas sejam alcançadas é necessário que todos os intervenientes contribuam para o efeito.

Neste processo, pediu o empenho dos empresários, criadores, juventude e de outros recursos humanos nacionais ligados ao sector, para a necessidade de um maior empenho nas acções para atrair mais investimentos e recursos financeiros. “Hoje, já não podemos nos queixar da falta de formação. Além das políticas públicas, por via dos centros de formação, a Internet é um grande auxílio para desenvolvermos o nosso sector. Ninguém pode estar indiferente a essa ferramenta que pode ser usada para criarmos mais oportunidades e experiências com outros renomados profissionais”, defendeu.

error: Content is protected !!