Também não gostei

Felizmente João Lourenço, o Presidente, é uma pessoa bem-humorada, apesar da colossal tarefa que pesa sobre ele de endireitar o país e de semear sorrisos nos rostos dos angolanos. Ele não pára, tomara que metade dos angolanos tivesse a sua atitude e trabalhasse com o mesmo ritmo, tudo seria mais fácil.

Mas sabemos que para os hábitos de trabalho dos angolanos ele é qualquer coisa de esquisito, trabalha até nos feriados. Seria bom que os deputados tivessem de lhe seguir o andamento. Bem, pelo menos já se dispensaria o famoso ginásio. Mas, alto aí, reconheço-lhe o empenho, mas também tenho os meus reparos, que já “lhe segredei” muitas vezes aqui neste espaço. Será que os leu? Não sei.

Como João Lourenço é também presidente do MPLA, já agora, seria bom que dissesse ao chefe do Grupo Parlamentar do partido, deputado (será que tem ginásio em casa?), que os jornalistas não “exageram”, como disse em relação à situação no Cunene. Se Américo Kuononoka acha que o Executivo tem feito muito e a situação está controlada, mas a informação não passa a seu contento, lamento, senhor deputado, o Executivo que mostre, que dê números. Aliás, como temos visto, até tem a imprensa à sua disposição.

Culpem quem quiserem, mas os dirigentes do MPLA, os políticos angolanos, de qualquer partido, devem entender que os jornalistas não são adversários e não estão para exagerar o que quer que seja.

E se amanhã este jornal narrar o drama de uma família que perdeu um membro seu devido à fome será um exagero só porque outras famílias se salvaram ou foram salvas pelo Executivo? Dirijam o fogo para outro lado, não para os jornalistas. E tenho mesmo de pedir emprestada a expressão ao Presidente, não gostei nada.

leave a reply