MPLA no Moxico nega existência de casos de intolerância política

Contrariando as acusações da UNITA e do PRS, o MPLA no Moxico, por via do seu segundo secretário, afirma não corresponder com a verdade a denúncia de casos de intolerância política na província, tendo apontado o bom ambiente democrático que se vive naquela parcela do Leste do país.

Domingos Bento

O segundo secretário provincial do partido MPLA no Moxico, Ismael Kechipoco, negou a denúncia de casos de intolerância política na província recentemente relatada ao OPAIS pelos secretários locais da UNITA e do PRS, João Cueza e José Victor, respectivamente. Recentemente, estes dois responsáveis partidários deram a conhecer que aquela província do Leste tem sido palco de muitos casos de intolerância que quando não matam, deixam feridos e empobrecem o processo democrático.

Segundo os políticos, O MPLA, apesar de estar na direcção do país, é o que mais promove casos de intolerância política, agredindo os militantes de outras formações, situação que, para eles, belisca a boa convivência entre os angolanos.

Em resposta a estas acusações da Oposição, o segundo secretário provincial do MPLA na província do Moxico disse que não corresponde com a verdade a referida denúncia, tendo justificado a sua defesa com o normal ambiente entre os partidos políticos que coabitam naquela província, em que os princípios democráticos são observados e respeitados com todo o rigor.

Porém, diante das graves acusações, Ismael Kechipoco lamentou a atitude da Oposição e pediu maior patriotismo, sobretudo nesta fase em que o país enfrenta muitos desafios socioeconómico, a julgar pela seca e pelas necessidades que ainda são prementes no seio dos angolanos.

“Aproveitamos para desmentir de forma categórica a aludida informação, pelo que entendemos estar eivada de inconformidade e de um extremismo partidocrático, quando, na verdade, está em causa o bem maior, que é a vida daqueles que muito precisam da ajuda de todos nós”, frisou, tendo acrescentado que “entendemos que o exercício da liberdade deve respeitar o princípio da verdade e do equilíbrio”.

Ismael Kechipoco considerou ainda a denúncia da Oposião como sendo infundada, caluniosa, difamatória e sem respaldo. A informação, no seu entender, visa somente confundir a opinião pública e a sociedade civil.

“Não temos o registo, pelo menos até ao momento, de casos de intolerância política na província, e tivemos o cuidado de contactar o 1° Secratário Municipal dos Bundas e este disse não ter recebido informação de algum partido da Oposição”, frisou, “acrescentando que “essa postura da UNITA e do PRS demonstra uma certa irresponsabilidade dos seus secretários provinciais”.

O país mudou

O segundo secretário do MPLA no Moxico lembrou ainda aos seus adversários que OPAÍS mudou e diariamente tem aprofundado a liberdade de expressão e de imprensa. “Cada partido é livre de deslocar- se aonde bem entender e passar a sua mensagem ou divulgar o que constatou livremente.

“E entendemos que os partidos da Oposição devem saber viver e a conviver na diferença” Por outro lado, Ismael Kechipoco afirmou que o MPLA tem sabido conviver com outras forças políticas, o que, no seu entender, demonstra maturidade política e a unidade nacional. “Temos conversado muito. Nos encontros, quando o Governo convida os representantes dos partidos com assento no Parlamento, interagimos normalmente. Nunca tivemos ataques e contra-ataques”, finalizou.

 

 

error: Content is protected !!