PN adverte comerciantes especuladores

O delegado em exercício do Ministério de Interior em Benguela, comissário-bombeiro Valentim Xavier, advertiu esta Terça-feira, os comerciantes que não estão a cumprir as normas estabelecidas para implementação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), que serão sancionados

O comissário, que falava no acto de abertura de um seminário sobre o IVA e o Imposto Especial de Consumo (IEC), dirigido a efectivos do Serviço de Investigação Criminal e do Comando local da Policia Nacional, disse não haver qualquer fundamento para que os comerciantes em Benguela aumentem os preços dos produtos que fazem parte da cesta básica. O responsável afirmou que todo o comerciante que de forma reincidente enveredar pelo atropelo das normas estabelecidas para a implementação do IVA, poderá enfrentar um processo judicial.

“Aos produtos como o arroz, feijão, óleo alimentar, leite, entre outros, isentos do IVA, nenhum comerciante deve incluir na factura este imposto, bem como os proprietários das padarias não devem aumentar o preço dos produtos ou mesmo reduzir o tamanho normal como se tem constatado”, afirmou Valentim Xavier. Na sua óptica, a sobreposição do IVA ao preço de produtos já taxados está entre as principais causas da escalada dos preços, o que de ve ser combatido.

Por seu lado, o presidente da Câmara de Comércio de Benguela, Carlos Vasconcelos, admitiu que existem operadores visados em práticas de especulação de preços, sem descurar o esforço de empresários honestos que, apesar do contexto, têm estado a suportar a oscilação do câmbio por conta da desvalorização do Kwanza. Carlos Vasconcelos adiantou ainda que a Câmara de Comércio pretende colaborar com as autoridades, no sentido de punirem os empresários que não cumpram com a lei. “Desde a implementação do ve ser combatido.

Por seu lado, o presidente da Câmara de Comércio de Benguela, Carlos Vasconcelos, admitiu que existem operadores visados em práticas de especulação de preços, sem descurar o esforço de empresários honestos que, apesar do contexto, têm estado a suportar a oscilação do câmbio por conta da desvalorização do Kwanza. Carlos Vasconcelos adiantou ainda que a Câmara de Comércio pretende colaborar com as autoridades, no sentido de punirem os empresários que não cumpram com a lei. “Desde a implementação do

error: Content is protected !!